Bicharada de A-Z (Parte 5) Flebótomos & Giardia

— F —

Flebótomo (“Espécie de mosquito” vector de várias doenças, inclusive algumas zoonoses) 

A Leishmaniose canina é uma zoonose de grande importância e de impacto na saúde pública. Todos os anos registam-se em Portugal entre 10 a 15 casos de Leishmaniose em Humanos, especialmente nas pessoas imunocomprometidas e crianças. A doença atinge todas as raças de cães, em todas as idades, e com uma elevada taxa de morbilidade e mortalidade. [1]

Os flebótomos são insectos vectores de vários agentes patogénicos, dos quais se destacam os protozoários do Género Leishmania. Em Portugal, as leishmanioses, canina e humana, são causadas por L. infantum, sendo o cão o principal reservatório e Phlebotomus perniciosus e P. ariasi os vectores comprovados do parasita. São conhecidos três focos de doença, mas casos de leishmaniose canina têm sido reportados em outras regiões nas quais se desconhecem as espécies flebotomínicas presentes e respectivas taxas de infecção.[2]

Origem: Bayer

Origem: Bayer

Mais informações AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

Referências: [1] Zoonoses transmitidas por insectos vectores

[2] Estudo dos flebótomos (Diptera, Phlebotominae), vectores de Leishmania sp, por Sofia Isabel Martins Branco.

— G —

Giardia /Giardiase / Giardiose

Giárdia (Giardia lamblia) causa diarreia e dificuldades na absorção intestinal, por aderir e diminuir as microvilosidades do intestino, dificultando a absorção de nutrientes; e por possuir proteases que agem em glicoproteína, levando lesões à mucosa, desencadeando também uma resposta inflamatória.

A giardiose é uma doença que pode surgir no humano ou nos mamiferos e que é contraída através do consumo de alimentos ou água contaminados. A melhor atitude a ter para com este tipo de parasitas é a prevenção e desparasitação tanto de humanos como de animais de estimação. Cuide da sua alimentação de forma cuidada e higiénica, o mesmo para os seus animais. Caso desconfie de alguma contaminação do seu animal, fale com o seu veterinário, e caso exista a possibilidade de também ter sido contaminado, fale com o seu médico.

Mais informação sobre a Giadiose AQUIAQUI e AQUI. 😉

Anúncios

Bicharada de A-Z (Parte 3 – Demodex)

— D —

Demodex ou demodecose – É um tipo de ácaro que provoca a sarna em cães e gatos. Também conhecida por sarna demodécica, pode surgir no animal a qualquer idade ou quando apresenta fragilidades no sistema imunitário. Este ácaro pode instalar-se numa larga região do corpo do animal (sendo esta versão mais grave) ou em pequenas zonas sintomáticas. A pele fica áspera, os pelos caiem e a pele ganha uma espécie de escamação com espessamento e inflamação. No caso dos cães é mais visível nas extremidades do corpo.

Não é transmissível ao ser humano.

Bicharada de A-Z (Parte 2 – Babesiose e Carraças)

— B —

Babesiose – É uma doença transmitida durante a picada da carraça, onde esta liberta no hospedeiro um parasita chamado Babesia Canis. Este parasita afecta principalmente o cão, destruindo os glóbulos vermelhos (com as esperadas consequências que essa destruição deve adivinhar). Pode suspeitar de babesiose se o seu cão aparentar um cansaço injustificado, tristreza, prostração, mucosas esbranquiçadas (como que anémicas).

Como já referi anteriormente, na dúvida, fale com o seu médico veterinário e usar sempre um desparasitante se costuma passear no campo com o seu cão. As carraças podem ficar agarradas ao cão durante horas/ dias e são um vector muito perigoso de transmissão de doenças.

A Babesiose pode contagiar pessoas e outros animais. No entanto a contaminação nunca acontece através do cão, mas sim da picada da carraça contaminada. O seu cão não é culpado, a carraça sim! Cuide do seu animal de estimação.

Parece divertido? Fonte

 

— C —

Carraça – É uma conhecida da generalidade dos donos de cães e gatos, no entanto nem todos sabem a quantidade de doenças que estas podem transmitir entre animais e humanos. No entanto deixo aqui um filme sobre a vida desta nossa amiga ectoparasita.

…existem em quase todas as regiões zoogeográficas, parasitando uma ampla gama de hospedeiros como mamíferos, aves, répteis, anfíbios e ocasionalmente podem parasitar o Homem. A crescente importância médica atribuída às carraças advém da aptidão que têm para se fixarem ao Homem e serem vetores de agentes de doença com importância em saúde pública.

Dra. Maria Margarida Santos Silva, Aqui

Outra perspectiva mais realista sobre o ciclo de vida das Carraças:

Literatura online:

Save

Save

Save

Bicharada de A-Z (Parte 1 – Ácaros)

— A —

Ácaros ou Sarna – Estes em particular causam-me alguma urticaria de pensar neles, no entanto há que saber que existem vários tipos de sarna e nem todos são contagiosos entre pessoas e animais. Interessa-nos saber que a sarna é causada por ÁCAROS, que são pequenos parasitas da pele, que ao encontrarem o seu hospedeiro (normalmente cães ou gatos) instalam-se em diversas regiões – Consoante o tipo  e espécie de ácaro. Os mais comuns são o Demodex, Octodectes, Sarcoptes e Notoedres. Destes só o Sarcoptes e o Notoedres é que são Zoonose.

Um Exemplo de um destes tipos de ácaros em acção – Neste caso o Sarcoptes, que é um ácaro escavador e também uma zoonose (o que quer dizer que se não for tratado, pode passar para seres humanos).

Se o seu cão/gato se coça, perdeu pêlo,  tem lesões na pele e mostra óbvio desconforto, o primeiro passo é dirigir-se a um veterinário.

Esqueça as farmácias. Apesar da boa vontade, só um médico veterinário poderá confirmar o diagnóstico – e o medicamento errado para além de não resolver o problema, pode piorar a situação do seu animal de estimação.

Com os ácaros o melhor a fazer é investir na prevenção e evitar o contacto com animais doentes. Este é um problema tratável com a medicação certa e de fácil prevenção com um anti-parasitário como uma pipeta por exemplo.

Literatura online:

Bicharada de A-Z (Parte 0)

Bom dia, boa tarde, boa noite!!!

Para quem me conhece, não é novidade que sou maluca por bicharada. Dizia uma amiga de longa data que este redireccionar da minha carreira: “Faz todo o sentido!”

Pois é, assim sendo hoje vou começar uma série de posts sobre um tema bastante interessante, que poderá ser bom para mim (no sentido de reforçar conhecimentos) mas também para o leitor (que tem ou não um animal de estimação, mas que não se livra das doenças que podem ser transmitidas entre espécies).

As Zoonoses de grosso modo, são doenças que podem ser transmitidas do homem para os animais e dos animais para o homem.

Essas doenças são desencadeadas por bactérias, fungos, vírus, parasitas (os meus favoritos) entre outros. No GERAL são doenças pouco preocupantes para o ser humano com o sistema imunitário saudável, no entanto isso não invalida que a prevenção e os devidos cuidados de higiene sejam uma necessidade. Não nos podemos esquecer de que vivemos em sociedade, coabitando com crianças, idosos, pessoas fragilizadas e animais.

Posto isto, fica aqui a minha introdução ao tema. Nos próximos dias publicarei posts com informação genérica sobre Zoonoses e doenças que são preocupantes para os nossos pets. Não sendo médica veterinária, em caso de algum erro, por favor, sintam-se confortáveis para me chamar a atenção. Este é um espaço sempre aberto à melhoria.

Pet Owners / Aos donos de Animais de estimação

Sítios que deveria consultar e informações que deveria saber sobre os seus animais de estimação. Ter  um animal de estimação é mais do que compra-lo, adopta-lo e dar-lhe de comer:

  • Cuidados básicos (Sabe quais são as necessidades e cuidados primordiais do seu novo amigo? Dependendo da espécie ou da raça estes cuidados podem ser mais ou menos importantes. Por exemplo, um animal de grande porte em crescimento, deve ter um maior reforço de proteína e calcio. Já um pequeno roedor deve evitar determinados alimentos para não se tornar obeso e não desenvolver problemas gastricos. Todos os animais são diferentes).

  • Desparasitação (Conheça os parasitas que podem afectar o seu animal. Parasitas internos, externos, flebotomos e todos os que podem ser uma ameaça para o seu bem-estar).

  • Documentos (O seu cão, gato ou exótico já tem um boletim de identificação? E um chip? Está registado? Vai viajar e já visitou o seu veterinário para fazer o passaporte do seu animal? Tem as vacinas e as desparasitações em dia ? O seu bicho está registado na sua junta de freguesia?)

  • Zoonoses [1](Informe-se junto do seu veterinário sobre o tipo de prevenção de deve fazer de acordo com a zona em que reside, para no futuro não partilhar com o seu animal nenhuma doença ou para que ele não a partilhe consigo. O índice de doenças partilhadas entre animais de estimação e donos é muito reduzido, mas elas existem e a prevenção é fácil se for feita regularmente e se forem mantidos os cuidados essenciais.)

  • Importância de uma Boa Alimentação (Todos os animais são diferentes, cães, gatos, pequenos ou grandes, devem respeitar uma alimentação adequada para poderem ter uma melhor qualidade de vida. Informe-se sobre as necessidades nutricionais do seu animal de estimação.)