Publicado em Crónica de Um dia, OUTROS

Nas muralhas do castelo

Só sabe o valor da calma quem já conheceu a tormenta. 

Sentei-me durante anos nas muradas do castelo a olhar de cima para baixo e a pensar na pouca vontade que tinha de regressar. Ainda hoje tenho pouca vontade de regressar, mas de outra perspectiva.

É tudo demasiado visceral, demasiado terreno e demasiado “eu” para ser vivido no quotidiano. Foi tudo vivido muito depressa com uma intensidade que deverá sempre algo por mais severa que seja a palavra para a descrever.

Enfio de novo a cabeça no livro e perco-me de novo a pensar nas muralhas do castelo, no nascer das magnólias a esta época do ano, no trinar das cordas em finais de Abril. Será que fica para sempre ou será que um dia me sentarei nas muralhas sem recordação, sem memória de percorrer a calçada com lugares elevados e veredas estreitas no caminho?

Receio o dia em que me esqueça.

Pensei que teria sempre saudades do Tejo. Não tenho. Não sinto a sua falta, o seu apelo, nem tão pouco a vontade de apresentar a minha prole aos cisnes do jardim. Ficou lá longe, não sei porquê. Ao contrário do que achava… ficou lá longe. Mesmo quando regresso, nunca regresso. Está lá longe. Eu sou outra pessoa e a cidade é outra cidade. Costumava pensar em todas aquelas caras que um dia partiram e não voltaram, ou que surgiam anos depois, do nada, já descontextualizadas e sem perceber o que se havia passado, ou o motivo pelo qual o mundo não havia parado na sua ausência.

Fiz as pazes comigo e com o mundo. Deixei de ter saudades de algumas pessoas, perdoei outras, perdoei-me a mim, perdoei a cidade, perdoei o que me castigou, perdoei quem castiguei por não me perdoar.

Eu não sou daqui. Não sou de lá. Sou de mim e é disso mesmo que preciso. Descalço os pés, coloco-os na areia e respiro fundo a brisa gélida que me cristaliza no caminho os pulmões. Expiro e enterro um pouco mais os pés.

Volto a olhar para o livro e liberto em desabafo:” Demoraste. Foi muito tempo, demoraste…”

Sinto uma mão no ombro, como que apaziguando esta consciência inquieta.

O que restou da minha ligação à cidade florida, está guardado no sorriso dos meus sobrinhos e nos braços das minhas irmãs de coração… o resto de mim,  despede-se e entrega a inexistente saudade ao perdão.

Quando voltar, que seja por amor àqueles que “são daqui“… o resto, o tempo levará a outras gerações que em meia década se irão cruzar com imagens e rostos que nunca conheceram e histórias que não farão ideia de aonde os levaram.

Anúncios
Publicado em Vários

X, Y, Z – Quem são estas pessoas?

Apesar de ter estudado comunicação, deparo-me com uma necessidade quase constante de perceber na perspectiva da psicologia a barreira comunicativa entre os baby boomers, a geração X (com a qual tenho um contacto familiar limitado e laboral ainda mais restrito), Y (da qual faço parte) e Z, onde se encaixam os mais novos.

Seja como for a tecnologia, a pressão económica e os factores de tensão social acabaram por moldar as nossas perspectivas do mundo laboral de forma bastante distinta. Se para uma geração o ideal é largar tudo se não se sentirem felizes, para a outra a primazia está na segurança.

A link seguinte que vos deixo, tem uma explicação sobre cada uma das classificações e sobre o impacto de cada uma na nossa sociedade. Espero que vos seja benéfico ou pelo menos que vos ajude a perceber a perspectiva de terceiros. Não queiras ir para “a ilha” quando a ilha é tudo o que nos rodeia. (Filosofia barata… 😉 )

Conflitos entre as gerações X, Y e Z.

Publicado em Idade dos Porquês, Opinião

Ao meu “Eu” de 15 anos.

Lembram-se? Foi a 18/09/2007

The brick walls are not there to keep us out; the brick walls are there to give us a chance to show how badly we want something.

Randy Pausch

 

Se eu pudesse escrever uma carta ao meu “Eu” de 15 anos…

Olá! Ora viva, dona das certezas!

O que quer que te leve a optar por um determinado caminho, é escolha tua. O dinheiro, o potencial, a paixão, a opinião de terceiros, não os leves tão a sério… num futuro próximo nada disto te vai interessar.

A escolha de um caminho nunca é fácil e ninguém disse que o seria, mas no início das nossas vidas quando nos perguntam o que queremos ser, ou damos uma resposta genérica que pode ser igual amanhã ou não, ou realmente já descobrimos o que nos faz bater o coração mais depressa.

Optei quase sempre por áreas nas quais um eventual fracasso me deixasse confortável. Tive ofertas de trabalho em ambas, mas não o bater do coração e a vontade de mudar tudo.

Um dia vais acordar e perceber que viver com um amor de infância, sobre o qual realizamos em pequenas coisas do quotidiano, só para abafar o sonho, só para acalmar a consciência, mas que assumimos que nunca conseguiremos ter para profissão, chega a ser corrosivo. E vai por mim, é chato!

Hoje que sou mãe (sim vais ser mãe), daria todos os passos da mesma forma para chegar a onde estou, a aprendizagem foi importante. Foi a única forma de conhecer e chegar às pessoas maravilhosas que conheço e à família que é a minha!

Mas… e tinha de vir um “mas”!

Mas não voltes a permitir que te digam que não és capaz, que não é possível, que é difícil demais. Não voltes a evitar um caminho por medo. O medo cresce com o tempo e alimenta-se da ignorância e da dúvida.

Um dia vais precisar de saber como é percorrer para poder dizer que se correr mal, pelo menos tentaste, mas porque haveria de correr mal!?

Um dia vais precisar de percorrer o caminho para poder mostrar à pessoa mais importante da tua vida que os sonhos são importantes e que devemos “Sim” ouvir o coração.

Vais precisar de percorrer o caminho para poder dizer que nada é gratuito e até o sonho mais recente pode exigir muito trabalho, e as “paredes só estão lá para aqueles que não o querem tanto como tu”! É para isso que servem os obstáculos, não são para ti, são para aqueles que não o querem tanto como tu.

Um dia vais perceber que as tuas primeiras memórias felizes são com cães, gatos, galinhas e que foste uma criança muito feliz aí! Permite-te ser criança de novo! Não te leves demasiado a sério!

Ao meu Eu de 15 anos: Um dia todos os teus medos irão resumir-se ao que és para os que amas e à mensagem que deixas no mundo se hoje for o teu último dia.

Ao meu EU de 15 anos: Aos 31 não vais ter uma empresa (até porque não te interessas grandemente por negócios, apesar das aulas e mais aulas de empreendedorismo), passarás mais tempo a trabalhar de graça do que a ganhar para viver (sim, está na lista de coisas a corrigir), terás uma família grande, étnica, de duas e quatro patas. Não vais ser presidente de coisa alguma até porque tiveste a tua parte de associativismo na faculdade.  Aos 31 vais ser uma pessoa em crescimento e vais ter mais dúvidas e medos do que tinhas com 15 anos, porque agora o mundo não és só tu, e o verdadeiro sentido da responsabilidade é seres o mundo de alguém… mas por isso mesmo o teu eu de 31 anos será feliz.

Publicado em Conversas

Como correu?

Nos últimos dias, das poucas vezes que saio de casa (e a correr para voltar as funções de “vaca leiteira”), sucede-se a repetição de uma pergunta: “Como correu?”

Ora bem, é tudo uma questão de perspectiva, mas em prol da continuidade da raça humana, prefiro sempre responder com outra pergunta antes de desenhar “como correu”: “Já teve filhos?” – pergunto eu.

No caso da resposta ser negativa, adio a conversa para daí a uns anos. Ver o ar intrigado, confuso (e talvez alerta) da pessoa, reconforta-me, na certeza que a não traumatizei. O mundo precisa de bebés e de histórias fofinhas.

By the way…  A I. ficou hoje toda a noite na caminha dela. Um marco histórico que me faz rebentar de orgulho da minha boneca.
10ps. Se me arrependo? Nem por um minuto ❤

Publicado em Opinião

Dois pés nos “intas”.

10407890_10153339700357516_9193090431994266826_n

Olá Querida I.

Hoje não é sobre ti, é sobre a tua mãe. Que mais ou melhor faria eu nesta minha entrada nos «inta», do que dirigir-te algumas palavras?

Durante algum tempo e na ausência de um nome, foste o «Gremlin», a criatura sem sexo, indefinida. Provavelmente já nos estão a chamar tudo ao ler estas palavras, mas vais chegar a conclusão de que nos teus pais vive um tremendo desleixo sobre a opinião alheia quando se trata de ti. Sabemos a quem recorrer, quando recorrer e nem eu permito que um de nós «emprenhe pelos ouvidos».

Nesta entrada nos «intas» respiro fundo e ganho coragem para nos próximos anos fazer o meu melhor, porque és tu, minha filha, minha fonte de alegrias e stress. Amo-te sem te conhecer, tremo de medo de te perder sem sequer ter visto o teu rosto. Só Deus e uma mãe podem perceber a dualidade da dúvida e a certeza de que ninguém como eu vai saber o que é melhor para ti. Ninguém, nunca, em situação alguma saberá ser mais ou melhor do que uma mãe que ama o seu filho.

Daqui a 30 anos espero sinceramente ter errado o suficiente para fazer de ti uma grande mulher. Espero ter-te ensinado a pensar. Espero estar ao teu lado para te ver fazer o caminho que TU escolheres. Sinto um profundo terror pela possibilidade de um dia ser uma mãe castradora que não deixa os filhos errar e pensar por si. Que não os deixa… e os filhos precisam disso. Precisam de sair, voar, ser obrigados a viver longe e a decidir por si. Espero que os anos não me tragam amnésia sobre este assunto.

Daqui a 30 anos espero estar cá para te ver ser feliz.

Publicado em OUTROS

Amor com bigodes

Num subtil ronronar prendemos os olhos nela. Faz-nos recordar o porquê de seremos tantos. Nos e eles. Tantos aqueles a quem damos amor diariamente.

O que começou por uma siamesa louca, transformou-se no amor incondicional por uma espécie. A Nina foi a última. É doce, endiabrada e surpreendentemente inteligente. Capta as nossas acções e muitas vezes é apanhada em momentos de tentativa de repetição do que nos viu fazer. É doce, observadora e ganha a família toda entre ronrons e curtos miados agudos. É a mais doce. Roça, brinca, conversa quando lhe convém. Beija muito os irmãos. Por vezes beija tanto que parece querer remover todo o pêlo numa lambidela.

É um doce, e angustia-me a quantidade de gatas, Ninas, abandonadas, doces como ela, nas ruas, nos gatís de abate, entregues à sua sorte. É um amor, esteve em fat durante quase um ano, ninguém a quis. É preta, tartaruga, é vulgar. O que as pessoas não sabem é que ela usa rocas, bolas e brinquedos de corda como uma criança de dois anos. Adormece ao nosso lado ou conversa como se discutisse a crise no médio oriente. A Nina e o Jorginho são hoje família.

Nina- gata preta

 

 

O Gata Preta fez ontem 5 anos. Obrigada ❤