Publicado em Idade dos Porquês, OUTROS, Texto

Vulnerabilidade

vul·ne·ra·bi·li·da·de 

substantivo feminino

Qualidade de vulnerável.

 

Palavras relacionadas: sujeito

in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/Vulnerabilidade .

Continue reading “Vulnerabilidade”

Anúncios
Publicado em Idade dos Porquês, Opinião, OUTROS, Texto

Pedras no caminho… acelera o passo e salta.

cat-3059078_960_720

É mais fácil fazer o caminho quando nos apercebemos de que na vida tudo nos é emprestado.

Incomoda-me a pessoa que não vive, que chora em lamento ou que se cala para a vida… mas daí também devo admitir que o problema é meu e só meu. Com os meus incomodos vive bem o mundo.

Trai-me a alma a falta de paixão no mundo. Desmancha-me o sorriso, a parvalheira e o embrutecimento dos corações… Vá-se perceber. Tenho medo. Pavor. Um profundo terror de me transformar em algo semelhante. Terror de um dia ser eu a ilustração ao lado do dicionário de palavras inertes.

E é tão degradante, tão triste, tão morto, viver num corpo e não sentir vida, viver com alma e não saber sonhar, carregar um coração e não saber sentir.

E passa tudo tão depressa que é inútil, despropositado… sem sentido viver desta forma.

Desde miúda que tento perceber o sentido das “coisas” e dava por mim a arrancar pilhas de relógios para perceber como conseguiria arranjar os bonecos e os motores dos carrinhos do meu irmão. A grande decepção no meio disto tudo é que as pessoas não são bonecos nem carrinhos e estão profundamente avariadas. Não existe mecânico que nos salve e os poucos de nós que tentam de alguma forma perceber o que se passa com aquele “equipamento pessoa”, partem a cabeça e não chegam a conclusão alguma.

As pessoas são complexas, divertidas, chatas, alegres e intrigantes… as pessoas “são” avariadas, profundamente avariadas. Morrem a querer viver para sempre, vivem a querer morrer na hora.

Vivem a querer controlar o que os outros fazem e pensam. Vivem a querer esconder quem são porque isso as deixa expostas, frágeis, numa situação de vulnerabilidade.

Somos todos um grupo de miseráveis poetas. Percebo o pensamento de Pessoa em Autopsicografia…

AUTOPSICOGRAFIA

O poeta é um fingidor

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.

 

E os que lêem o que escreve,

Na dor lida sentem bem,

Não as duas que ele teve,

Mas só a que eles não têm.

 

E assim nas calhas de roda

Gira, a entreter a razão,

Esse comboio de corda

Que se chama coração.

E não me venham dizer que guardam as pedras que encontram no caminho, porque isso é estúpido e muito pouco produtivo. A não ser que sejas calceteiro e aí já faz sentido.

 

PS. Um abraço a uma das minhas pessoas, um companheiro de viagem que perdeu o seu preto. Os homens não se medem aos palmos, mas medem-se pela capacidade de ser gente. Gente a sério. PM, Beijinho

 

Publicado em A Gata Preta, Crónica de Um dia, Opinião, OUTROS

Uma geração que se esqueceu de parar

A evolução do ser humano deu-se ao longo da história sem grandes disparidades para os géneros (ahahahaha, piadinha).

A posição da mulher como cuidadora da família e o trabalho do homem como provedor do sustento do lar, formam postos quase históricos… “Só que não!”

Nas últimas décadas assistimos a uma alteração na atitude feminina que foi “parcialmente” acompanhada pelo sexo oposto… parcialmente digo porque da mesma forma que assisto ao aumento de mulheres a frequentar a universidade e a desempenhar cargos de carreira, assisto também ao aumento de situações de ruptura – psicológica, stress, familiar, laboral.

Nínguém aguenta. Nós mudamos!

Em geral o homem continua a ser encarado como “um ajudante”, alguém que se “esforça” para estar lá e desempenhar papeis que outrora seriam exclusivamente femininos.

E o pior é que nós exaltamos as qualidades de um homem que é Pai, trata do seu lar, compra o fornecimento semanal de alimentos para casa, como se isso fosse algo de extraordinário!

Exemplo prático, se o meu marido decidir cozinhar, tratar da roupa ou levar a miúda ao parque, tem todo o meu incentivo! “Vai amor, força nisso!”

A questão não são só eles que gostam de chegar a casa e sentar no sofá, tomar um banho demorado ou sair com os amigos! Nós também, e ninguém os avisou! Ninguém os avisou que queremos construir carreiras, ter filhos, viver em casas limpas e mudar o mundo! Ninguém os programou para isso porque as nossas mães faziam tudo antes sequer dos meninos terem tempo para colocar as meias no cesto da roupa!

A técnologia avançou, as mulheres seguiram um rumo e os homens, por total ausência da necessidade evolutiva, não perceberam que nós já não estamos na cozinha… a mulher saiu de casa e vai governar o mundo, se não hoje, amanhã, mas isso vai acontecer… porque nós somos as geração que se esqueceu de parar.

Pagamos elevado preço por isso mesmo. Pagamos com tudo aquilo que era exclusivamente nosso, pagamos com rótulos e insultos, pagamos com olhares de desdém e acusações de “má mãe”, “ambiciosa”, “egoista”…

Isto tudo para nos obrigar a andar só porque descobriram que não queremos deixar de correr, parece injusto, não parece?

Darwin explica. 😉

Publicado em Música, Opinião, OUTROS

Dia 51/367 True colors, Trolls

A música tem alguns anos, o conceito de “Trolls” como criaturas felizes e coloridas de cabelo espetado data da minha infância… 90’s portanto. Não esperava uma surpresa tão agradável, mas a verdade é que os classicos encaixaram muito bem naquill que pode ser para alguns um exagero de cor… Coisas de filmes de animação. Mas como me recuso e ficar “antiga” … Vi na mesma.

É mais um trabalhos simpático da DreamWorks.

Vejam! 😉

“Happiness is inside You!”