Pessoa e Sobral… que os homens também sentem.

Presságio

O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p’ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P’ra saber que a estão a amar!

 Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…

  • Diz a rede que é de 1928, de Fernando Pessoa…

 

 

Anúncios

Jogo da Baleia (Rosa)

Olá e boa tarde meus amigos.

Quando me deparei sobre os detalhes sobre o jogo de 50 tarefas de automotilação que termina com o suicídio, já a primeira vítima da Baleia Azul tinha surgido em Albufeira. Sim, aqui mesmo, ao lado de casa.

Felizmente, uma agencia de marketing deciciu num laiovo de inspiração e brilhantismo, criar o jogo da #baleia-do-bem a Baleia Rosa.

Gira, não sou? Clica sobre mim e descobre as tarefas que podes fazer para aderir ao jogo da Baleia Rosa. Começa já! Sê feliz!

A baleia rosa é a soldado que luta no sentido inverso do trabalho feito pela Baleia Azul.  Está cheia de ideias e tarefas positivas que ajudam a trabalhar a auto-estima e o bem estar de quem joga e dos envolvidos no jogo.

No facebook ou na aplicação móvel podemos seguir as várias tarefas e ir postando ou guardando para nós.

Por isso eis a minha primeira tarefa – Escrever no braço de outra pessoa o quanto gosto dela.

 

ps. Sobre a outra, façam um favor, não adicionem pessoas que não conhecem, não respondam no watts a numeros compridos e estranhos, não adiram a grupos esquesitos no face… vamos parar com esta brincadeira de mau gosto.

Visitem antes a Baleia Rosa

Be happy!

Animais: Seres pensantes ou decisores por instinto

INSIDE THE MINDS OF ANIMALS – O que pensam os animais e nós sobre eles? Eis um TedEx curioso que fala sobre as diferenças de perspectiva entre as espécies e serve como mote para pararmos e meditarmos sobre a forma como encaramos o “outro” em particular, espécies diferentes. Sabemos assim tanto? Estaremos assim tão distantes destes?

O jogo MIKADO SPIEL (2011/2012)

O jogo MIKADO SPIEL :: Ensaio de Vera Lúcia Inácio

UNIVERSIDADE DO MINHO – INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

ENSAIO PARA A UC DESIGN DE VIDEOJOGOS

A actividade de jogar proporciona aos seus participantes um efeito de abstracção em relação ao quotidiano, criando uma distanciação mais ou menos realista entre o momento de trabalho e o momento de lazer.

Com base no pensamento de Caillois, a actividade proporcionada pelo tradicional e antigo Mikado remete-o para a categoria de jogo por não ser uma acção com cariz produtivo, sério ou obrigar a qualquer tipo de compromisso associado à vida adulta comum. É uma actividade de lazer, sem outro objetivo.

Como qualquer outro jogo, é regido por um conjunto de regras que delimitam o seu funcionamento e regulamentam a actuação, criando os “ingredientes” para que o acto de “jogar” Mikado seja uma actividade sem desenvolvimento previsível. Geralmente e segundo a norma, no início de cada jogo, nenhum dos participantes pode ou deve conseguir prever o resultado do mesmo.

Os jogadores entregam-se ao acto de conseguir isolar uma peça única com alguma destreza, na tentativa de não mover qualquer uma das outras em mesa.

O jogo é composto por várias varetas que podem ser de madeira ou de plástico, distinguidas por cores ou riscos que as diferenciam entre si. As peças são unidas num conjunto e largadas sobre uma superfície plana para que possam cair livremente umas sobre as outras e criar assim um jogo. No decorrer de cada ronda, cada um dos jogadores deve retirar o maior número de peças à unidade sem mover as restantes.

Condicionadas pelas suas características específicas, a pontuação das varetas varia entre os 3 pontos e os 20 pontos (apenas atribuídos pela peça única que dá o nome ao jogo = Mikado).

Curiosamente o nome Mikado parece derivar de uma expressão utilizada para falar do Imperador do Japão. Por outro lado “Spiel”, expressão germânica poderá dever-se ao fato do Mikado Spiel ter surgido na Europa central nos anos 30 do século passado.

O Mikado é um jogo de sorte e alguma paciência, que permite uma jogabilidade solitária ou social com um grupo quase ilimitado de jogadores. Segundo Huizinga, citado por Caillois, o jogo é uma acção capaz de absorver o jogador, com uma acção destituída de qualquer tipo de interesse útil e material. Assim se comprova mais uma vez que o Mikado Spiel se enquadra perfeitamente na categoria de jogo, como actividade lúdica e potenciadora de momentos de relaxamento e distanciamento do pensamento de regulação e preocupação com as actividades quotidianas.

CARACTERÍSTICAS MIKADO SPIEL (BOARD GAME)

ARTE

Cores (distinguem as peças com pontuação mais alta) e Formas (definem o jogo).

MATERIAL

Plástico/Madeira

DESIGN

Apesar do seu funcionamento aparentemente fácil, o jogo acaba por obrigar os envolvidos a desenvolver um elevado estado de concentração.

Os jogadores são “obrigados” pelas exigências do jogo a planear estratégias de movimentação das peças da forma mais eficaz possível, para poderem rentabilizar o seu momento de jogada. Quanto maior for o número de oponentes, menor será a possibilidade em cada ronda de recolher mais pontos, as peças mais apetecíveis ou as varetas que exigem menor dificuldade de extracção.

AMBIENTE

Objectos manipuláveis manualmente, com regras que limitam e condicionam a sua utilização em ambiente de jogo.

REGRAS

Sim

Poucas, mas claras: “Se a peça se movimentou, o jogador passa a vez para o oponente seguinte”.

 

RECOMPENSAS E CASTIGOS

O jogador que mover uma peça que não apenas a que está a manipular, sofre uma penalização e perde a vez.

OBJECTIVOS: VITÓRIA ou DERROTA

Vence o jogador que acumular mais pontos (juntar o maior número de varetas com pontuação mais alta).

 

CLASSIFICAÇÃO DO JOGO

AGÔN – O Mikado Spiel é um jogo de competição em que os vários jogadores se defrontam como iguais e têm como objectivo final conquistar o maior número de pontos através da recolha das varetas.

O interesse deste tipo de jogo é ver no final de cada evento, o reconhecimento e consagração do vencedor, como o indivíduo com mais capacidade e destreza no desempenho da actividade.

Ao contrário dos jogos de sorte, Agôn são jogos estritamente de mérito e de oposição de habilidades e competências.

 

 

 

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

http://en.wikipedia.org/wiki/Mikado_%28game%29

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

UM TRABALHO DE VERA INACIO, PARA O MESTRADO EM MEDIA INTERATIVOS DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DO MINHO.

ABERTO CURSO CED – FARO

DIVULGAÇÃO: FORMAÇÕES

“FORMAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA – MÉTODO CED (CAPTURAR-ESTERILIZAR-DEVOLVER) EM COLÓNIAS DE GATOS SILVESTRES | FARO

No próximo dia 12 de Março (Domingo), entre as 10 e as 18 horas, a Animais de Rua, em parceria com a Change For Animals Foundation, vai promover uma nova formação sobre o método CED (Capturar-Esterilizar-Devolver), o único método verdadeiramente eficaz e humano de controlo da população felina silvestre.

A formação terá lugar em Faro e será composta por um módulo teórico, durante o qual serão pormenorizadas as diversas etapas do programa CED incluindo a utilização dos materiais de captura, e um módulo prático onde os formandos poderão aplicar os conhecimentos adquiridos numa captura a decorrer numa colónia sinalizada pela Animais de Rua.

As inscrições devem ser feitas até ao dia 9 de Março através do e-mail dora.algarvio@animaisderua.org e têm o valor simbólico de 5€. A transferência deve ser efectuada para o IBAN PT50 0065 0921 0020 1240009 31 e o respectivo comprovativo enviado para o e-mail faro@animaisderua.org.

No final da formação será entregue um Certificado de Formação Profissional, emitido na plataforma SIGO, nos termos da Portaria 474/2010 de 8 de julho. A emissão deste certificado credita as competências adquiridas na Caderneta Individual de Competências (CIC).
Contamos com a sua presença e o seu apoio na construção de uma sociedade mais consciente!”

ced-animais-de-rua

Cães e gatos vivem mais…

Cães e gatos vivem mais dois anos do que há uma década, dia o artigo de 17 de Fevereiro de 2017, do Observador.
Os cães e gatos que recebem os devidos cuidados vivem mais dois anos do que há uma década, segundo a perceção de Luís Montenegro, diretor clínico do Hospital Veterinário Montenegro.

Está tudo relacionado com os cuidados que temos com os nossos animais, relacionados com saúde e bem-estar. Visitas mais frequentes ao veterinário, melhor alimentação, maiores cuidados no sentido de evitar que estes se exponham a perigos desnecessários. Pode saber mais aqui, no artigo original

Ele há dias...

The Fools Who Dream

Esta é um brinde a nós que ainda sonhamos, “The fools who dream”…A letra podem ver no vídeo ou ali abaixo escrita em bloco. (By the way, pequeno detalhe, esta pérola de música foi indicada para Óscar de melhor música original…)

Letra em tradução literal para Português:

A minha Tia costumava viver em Paris, eu lembro, ela costumava chegar a casa e contar-nos histórias sobre a vida lá fora. E eu recordo que ela contou-nos que saltou uma vez para um rio, descalça.

Ela sorriu

Saltou, sem olhar / E caiu no Sena/ A água era gelada/ Ela passou um mês a espirrar/ Mas diz que faria tudo de novo

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela apanhou um sentimento/ Céu sem tecto/ Pôr do sol dentro de uma moldura

Ela vivia na bebida/ E morreu num sopro / Eu vou sempre lembrar a chama

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela disse-me / “Um pouco de loucura é chave / Para dar-nos novas cores a ver/ Quem sabe onde nos levará? / E é por isso que eles precisam de nós”

Então tragam rebeldes / ondulação dos seixos / Os Pintores, e poetas e peças

E esta é para os tolos que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que se quebram/ Esta é para o estrago que fazemos

Eu volto atrás até lá / Ela, e a neve, e o Sena / Sorrindo por isso / Ela disse que o faria de novo.

Lyrics English (Original):

My aunt used to live in Paris
I remember, she used to come home and tell us these stories about being abroad
And I remember she told us that she jumped into the river once, barefoot

She smiled

Leapt, without looking / And tumbled into the Seine / The water was freezing / She spent a month sneezing / But said she would do it again

Here’s to the ones who dream / Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache / Here’s to the mess we make

She captured a feeling/ Sky with no ceiling / The sunset inside a frame

She lived in her liquor / And died with a flicker / I’ll always remember the flame

Here’s to the ones who dream/ Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache /Here’s to the mess we make

She told me
“A bit of madness is key / To give us new colors to see /Who knows where it will lead us? /And that’s why they need us”

So bring on the rebels / The ripples from pebbles / The painters, and poets, and plays

And here’s to the fools who dream /Crazy as they may seem /Here’s to the hearts that break 7Here’s to the mess we make

I trace it all back to then / Her, and the snow, and the Seine /Smiling through it /She said she’d do it again

Escrita por Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Noble Paul • Copyright © Warner/Chappell Music, Inc

O Elefante na sala

Um certo dia chegas a casa e tens lá alguém.

Conversas com essa “pessoa” e ela diz que só vai ficar uns momentos.

Os teus amigos dizem para ter paciência e calma. Tu pensas que realmente eles devem ter razão.

A “pessoa” vai embora. Assunto resolvido.

Semanas depois a situação repete-se. Sempre por breves momentos. Aprendes a aceitar. Afinal a vida é assim, as vezes mais vale relaxar e levar.

Com o passar do tempo essa “pessoa” começa a ficar mais tempo. Há dias em que quer conversar e apesar das conversas serem um pouco repetitivas, por vezes fica até amanhecer a falar do mesmo assunto.  E tu pensas… como é que eu vou sair amanhã para a escola, trabalho, estágio… mas não fazes nada porque correr com essa “pessoa” era maluquice. Vamos ser normais e ter calma. Já nem falas disso aos teus amigos. Não os queres saturar e compensas em casa nas folgas. Tentas por o sono em dia.

Passam meses…

O trabalho é cansativo, pensas em mudar de trabalho. Mais cedo ou mais tarde consegues, mas pouca-sorte, não foi tão bom como esperavas. Pelo contrário, foi ainda mais desgastante. Chegas a casa e lá está “ela”. Fala e fala e fala e tu tens de resolver o bolo de problemas mas não sabes como. Tens uma casa para cuidar, tens uma família que precisa da tua atenção, mas esta “amiga” está sempre contigo.

Agora acorda contigo, vai contigo para o trabalho e sem grande decoro fala alto, toca bateria e chama toda uma equipa de amigos para a ajudar. Podia ser divertido se fosse dia de festa, mas não é. Queres trabalhar e o barulho é imenso. Não consegues manter o fóco e quando chegas a casa estás com a energia abaixo de zero…

Existe uma amiga chamada depressão e Portugal é o segundo país no mundo com maior taxa de depressivos, só ultrapassado pelos estados unidos. Isto deve-se muitas vezes à falta de acesso a cuidados básicos da doença, assim como a um tratamento sério que encare a depressão como uma doença do cérebro.

Sabia que na maioria das pessoas o primeiro sintoma que surge é físico? Sabia que quase sempre o suicídio está contextualizado em episódios de depressão? Sabia que a DEPRESSÂO TÊM CURA?

É possível ser feliz e é possível voltar a ter energia, a trabalhar com um sorriso, a ter paciência, alegria, a viver bem! Se sente que um familiar ou amigo pode não estar bem, se você próprio se sente “diferente” e não percebe porquê, procure ajuda. A depressão não é um bicho, mas precisa de ser tratado (e existem várias formas de tratamento).  Não tenha medo de procurar o seu médico de família, de falar com um psiquiatra, com um psicologo, de iniciar um plano de exercício físico, de fazer meditação.. o que resultar é válido! Seja feliz! Fique atento!

Vamos combater o Elefante (ou o cão) na sala?

O Dr. Olegário tem aqui um par de palavras que é muito feliz e que explica a depressão. 🙂

O Coelho – Actividade CPPADERNE

No seguimento de uma actividade realizada a 02 de Novembro, para os meninos da Creche Gente Miúda (Algarve), fui lá conversar sobre o coelhinho de estimação e sobre algumas das suas necessidades básicas. Falamos sobre o peso, alimentação, escovagem, cuidado ao manusear, caricias, a personalidade dos coelhos, corte das unhas e dentes. Foi muito divertido e fica aqui o documento que criei para a actividade em questão.

coelho Cebolinha/Cebolada

Obrigada a toda a equipa da Sala dos Sonhos (2-3 anos) e à Sra.Directora Patrícia Beira Grande, por esta manhã tão divertida, ao "sr" Google, dono de algumas das imagens e a todos os autores das outras que não sendo minhas, não consigo atribuir autoria. Por favor se souberem, terei todo o gosto em atribuir autorias.

Panleucopénia Felina

Doenças em Felinos - Informação da responsabilidade do European Board on Cat Disease.

O que é a panleucopenia felina?

O parvovírus da panleucopenia felina (FPV) infecta todos os felídeos assim como guaxinins, martas e raposas. Pode levar à extinção de populações inteiras de gatos suceptíveis. O FPV pode sobreviver no meio durante vários meses e é altamente resistente à maioria dos desinfectantes.

Infecção

Gatos doentes excretam FPV em elevadas concentrações nas fezes e a transmissão ocorre por via orofecal. O contacto indirecto é a via de contacto mais comum de infecção e o FPV pode ser transportado através de ”veículos” ou fomites (calçado, vestuário), o que significa que gatos que não saiam de casa também estão em risco. Também ocorre transmissão intra-uterina do vírus e infecção dos recém-nascidos.

Sinais clínicos

O FPV afecta gatos de todas as idades. Os juvenis são mais susceptíveis.

Taxas de mortalidade elevadas, >90% nas crias Dependendo dos tipos de células infectadas, os sinais de doença incluem :

  •  diarreia
  •  linfopenia, neutropenia, seguida de trombocitopénia e anemia
  •  imunossupressão (transitória, em gatos adultos)
  •  ataxia devido a hipoplasia do cerebelo (em crias apenas)
  •  aborto

FONTE E Documento para leitura detalhada

Fale com o seu veterinário se suspeitar que o seu animal tem sinais clínicos de FPV. É importante que face a determinados sinais clínicos o animal seja sempre consultado por um médico com conhecimentos para avaliar o estado de saúde do animal.

Bicharada de A-Z (Parte 5) Flebótomos & Giardia

— F —

Flebótomo (“Espécie de mosquito” vector de várias doenças, inclusive algumas zoonoses) 

A Leishmaniose canina é uma zoonose de grande importância e de impacto na saúde pública. Todos os anos registam-se em Portugal entre 10 a 15 casos de Leishmaniose em Humanos, especialmente nas pessoas imunocomprometidas e crianças. A doença atinge todas as raças de cães, em todas as idades, e com uma elevada taxa de morbilidade e mortalidade. [1]

Os flebótomos são insectos vectores de vários agentes patogénicos, dos quais se destacam os protozoários do Género Leishmania. Em Portugal, as leishmanioses, canina e humana, são causadas por L. infantum, sendo o cão o principal reservatório e Phlebotomus perniciosus e P. ariasi os vectores comprovados do parasita. São conhecidos três focos de doença, mas casos de leishmaniose canina têm sido reportados em outras regiões nas quais se desconhecem as espécies flebotomínicas presentes e respectivas taxas de infecção.[2]

Origem: Bayer

Origem: Bayer

Mais informações AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

Referências: [1] Zoonoses transmitidas por insectos vectores

[2] Estudo dos flebótomos (Diptera, Phlebotominae), vectores de Leishmania sp, por Sofia Isabel Martins Branco.

— G —

Giardia /Giardiase / Giardiose

Giárdia (Giardia lamblia) causa diarreia e dificuldades na absorção intestinal, por aderir e diminuir as microvilosidades do intestino, dificultando a absorção de nutrientes; e por possuir proteases que agem em glicoproteína, levando lesões à mucosa, desencadeando também uma resposta inflamatória.

A giardiose é uma doença que pode surgir no humano ou nos mamiferos e que é contraída através do consumo de alimentos ou água contaminados. A melhor atitude a ter para com este tipo de parasitas é a prevenção e desparasitação tanto de humanos como de animais de estimação. Cuide da sua alimentação de forma cuidada e higiénica, o mesmo para os seus animais. Caso desconfie de alguma contaminação do seu animal, fale com o seu veterinário, e caso exista a possibilidade de também ter sido contaminado, fale com o seu médico.

Mais informação sobre a Giadiose AQUIAQUI e AQUI. 😉