The Fools Who Dream

Esta é um brinde a nós que ainda sonhamos, “The fools who dream”…A letra podem ver no vídeo ou ali abaixo escrita em bloco. (By the way, pequeno detalhe, esta pérola de música foi indicada para Óscar de melhor música original…)

Letra em tradução literal para Português:

A minha Tia costumava viver em Paris, eu lembro, ela costumava chegar a casa e contar-nos histórias sobre a vida lá fora. E eu recordo que ela contou-nos que saltou uma vez para um rio, descalça.

Ela sorriu

Saltou, sem olhar / E caiu no Sena/ A água era gelada/ Ela passou um mês a espirrar/ Mas diz que faria tudo de novo

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela apanhou um sentimento/ Céu sem tecto/ Pôr do sol dentro de uma moldura

Ela vivia na bebida/ E morreu num sopro / Eu vou sempre lembrar a chama

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela disse-me / “Um pouco de loucura é chave / Para dar-nos novas cores a ver/ Quem sabe onde nos levará? / E é por isso que eles precisam de nós”

Então tragam rebeldes / ondulação dos seixos / Os Pintores, e poetas e peças

E esta é para os tolos que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que se quebram/ Esta é para o estrago que fazemos

Eu volto atrás até lá / Ela, e a neve, e o Sena / Sorrindo por isso / Ela disse que o faria de novo.

Lyrics English (Original):

My aunt used to live in Paris
I remember, she used to come home and tell us these stories about being abroad
And I remember she told us that she jumped into the river once, barefoot

She smiled

Leapt, without looking / And tumbled into the Seine / The water was freezing / She spent a month sneezing / But said she would do it again

Here’s to the ones who dream / Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache / Here’s to the mess we make

She captured a feeling/ Sky with no ceiling / The sunset inside a frame

She lived in her liquor / And died with a flicker / I’ll always remember the flame

Here’s to the ones who dream/ Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache /Here’s to the mess we make

She told me
“A bit of madness is key / To give us new colors to see /Who knows where it will lead us? /And that’s why they need us”

So bring on the rebels / The ripples from pebbles / The painters, and poets, and plays

And here’s to the fools who dream /Crazy as they may seem /Here’s to the hearts that break 7Here’s to the mess we make

I trace it all back to then / Her, and the snow, and the Seine /Smiling through it /She said she’d do it again

Escrita por Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Noble Paul • Copyright © Warner/Chappell Music, Inc
Anúncios

Linguee

CURIOSIDADES E FERRAMENTAS ÚTEIS ONLINE

Linguee apresenta-se como ” uma ferramenta de tradução muito especial. Ele combina um dicionário redacional com um buscador de traduções capaz de pesquisar 100 milhões de textos bilíngues à procura de palavras e expressões.”

Funcional, prática e user-friendly. Visitem amigos, pode ser muito útil na realização de documentos técnicos, trabalhos, cvs e todo o tipode material que precise de tradução.

Linguee link

 

 

Aquele de quem todos falam…

“O escritor português e Prémio Nobel da Literatura em 1998 José Saramago morreu dia 18 de junho de 2010, aos 87 anos em Lanzarote.”

Não me vou despedir do senhor, até porque nunca o conheci. Não há motivo para me despedir de alguém que não me conheceu e que eu não conheci. Não soube apreciar o seu génio. Dizem as bocas que era um homem afrente para o seu tempo.

Do memorial do Convento, ficou-me o dinheiro mal gasto e a certeza de que para além da página dos percevejos, pouco absorvi. Lamento, mas o meu QI não foi grande catalisador para que a obra cumpra os seus desígnios na minha mente. Lamentável. Talvez um dia consiga ler uma obra do senhor. Vou esperar. Crescer um pouco como pessoa, como ser humano, amadurecer e pode ser que depois disso faça mais uma tentativa.

Invejo contudo a força deste homem. A sorte que teve na vida. A sorte que fez por ter. O saber amar e ser amado e aos oitenta e tantos anos ter a lucidez de encarar o fim. Talvez seja por isso que se tenha poupado à pontuação. O senhor sabia fazer uso dos silêncios, não precisava dos pontos para o relembrar que haverá sempre um silêncio. Ao que parece, teve tempo para tudo. Deixou inacabados, mas era inevitável, já viram algum grande espírito conformar-se e parar?

Eu não compreendi Saramago, o escritor, mas sinto que mais do que o valor comercial do seu nome, é imperativo que se mantenha viva a pessoa como modelo humano.

Nem todos nascemos génios, mas ainda não existe lei que nos vete a possibilidade de ficar de boca aberta perante estes espíritos.

VI

Bandeiras despregadas

Ora bem! Desviem-se que eles estão aí. A Bandeiras Despregadas, a chorar a rir ou não… Eles estão aí. Abra, veja, mas esteja preparado, por via das dúvidas, uma garrafinha de litro e meio de água ao lado do pc nunca fez mal a ninguém. 😛

bandeiras despregadas

Bandeiras despregadas  agora, todas as semanas, á distância de um click (respirem fundo).

Eles são engenheiros, jornalistas, futuros RP’s ou gestores de eventos, “especialistas” nas mais diversas áreas, que a vida uniu, (que lindo, aqui já me apetece chorar) ao virar de uma esquina ou numa mesa de café.

Este projecto, este pequeno criance, que nasceu agora (ainda tem algumas fraldas a mudar) … mas como o próprio texto de apresentação advertia (desde já, brilhantemente escrito)… e já me perdi.. ah, como o texto dizia “Desde o tempo em que D. Afonso Henriques disse à mãe que lhe ia à tromba que não se via nada tão grandioso. Tão fantástico. Tão parvo… vá.”

Visite a rapaziada. De qualquer modo, não doi nada.

 

nota

Amanhã, o “perfil” deste grupo composto por 7 alminhas. Veja o Primeira Linha, numa banca perto de si (desde que viva no Ribatejo).