Porque é que o amor é complicado

Tenho a certeza de que não sou a única pessoa a pensar sobre o assunto. Dá trabalho conquistar, manter, esperar por um futuro que tem limite. Porque sim. E ninguém quer estar sozinho só porque sim. Ninguém quer perder a fé nas borboletas. Ninguém quer ter um espaço vazio e uma casa a fazer eco quando chega depois de um dia de trabalho.

Porque é que o amor é complicado?

Porque é fácil sentir borboletas na barriga quando o sorriso dele se demora em ti. Toda a fé está posta nas loucuras, nos momentos em que o mundo pára e é só vosso! E é maravilhoso!

Esquecemos todas as vezes em que o coração ficou partido e as lágrimas tomaram conta do nosso rosto.

O amor é difícil por isso mesmo, porque não temos certeza mesmo quando pensamos que temos.

Porque é que o amor é complicado?

Porque todo o amor tem uma fase de deslumbramento e todo o amor nos leva a momentos de monotonia e rotina. Saber lidar com isso também é sentir amor. Saber combater e encontrar soluções, também é amor.

Tudo o que temos é o agora e o que queremos fazer com o “agora”. Se não existir fé, se não existir vontade de mais, de ser feliz, pergunto-me o que fazemos cá?

Sei que o meu coração não é feito de uma única peça. Por mais expostas e pessoais que sejam as minhas reflexões, por mais que falem aquilo que é “meu”, sei que é de todas as peças partidas que se faz a fé no amanhã.

Perguntam-me várias vezes porque é que vamos casar?

Se pensar bem ainda não respondi de forma honesta a ninguém. Respondo hoje a quem quiser ler, na certeza de que o amanhã é incerto.  Quero casar com esta pessoa porque quero viver com ele como se fosse o último dia, quero celebrar o tempo que já passou e o tempo que não sei se eu ou ele temos. Quero celebrar com os nossos amigos e família a maior obra de arte e a “coisa” mais bonita que Ele e Deus me deram, que é o nosso rebento.

Quero sentir o coração cheio e viver a alegria de partilhar a nossa família com o mundo porque a única coisa que temos é o hoje e um coração cheio e sobre o amanhã ninguém sabe. F0dam-se os hipócritas, os corações partidos (porque também já parti o meu e voltei a colar e a partir e a colar, tantas vezes que me esqueci de contar)…

Se sonhar e querer mais fizer de mim uma tola ou uma miúda (é só para acompanhar o aspecto físico)… Sonhar é a única coisa que me mantém a mesma pessoa que carregava uma boneca ruiva pela sala da minha mãe. É a única coisa que me continua a ligar aquela pessoa que aparecia em casa com uma caixa cheia de gatos ou até mesmo à pessoa que fez as malas e foi para Braga atrás da felicidade. Apaixono-me todos os dias, por mim a ser feliz, por pessoas, por sítios, por detalhes. Tomei uma grande dose de #f0da-se# até chegar aqui. Desisti tantas vezes que me cansei de desistir.

Amar é difícil, mas não amar é mais.

 

 

Anúncios

The Fools Who Dream

Esta é um brinde a nós que ainda sonhamos, “The fools who dream”…A letra podem ver no vídeo ou ali abaixo escrita em bloco. (By the way, pequeno detalhe, esta pérola de música foi indicada para Óscar de melhor música original…)

Letra em tradução literal para Português:

A minha Tia costumava viver em Paris, eu lembro, ela costumava chegar a casa e contar-nos histórias sobre a vida lá fora. E eu recordo que ela contou-nos que saltou uma vez para um rio, descalça.

Ela sorriu

Saltou, sem olhar / E caiu no Sena/ A água era gelada/ Ela passou um mês a espirrar/ Mas diz que faria tudo de novo

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela apanhou um sentimento/ Céu sem tecto/ Pôr do sol dentro de uma moldura

Ela vivia na bebida/ E morreu num sopro / Eu vou sempre lembrar a chama

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela disse-me / “Um pouco de loucura é chave / Para dar-nos novas cores a ver/ Quem sabe onde nos levará? / E é por isso que eles precisam de nós”

Então tragam rebeldes / ondulação dos seixos / Os Pintores, e poetas e peças

E esta é para os tolos que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que se quebram/ Esta é para o estrago que fazemos

Eu volto atrás até lá / Ela, e a neve, e o Sena / Sorrindo por isso / Ela disse que o faria de novo.

Lyrics English (Original):

My aunt used to live in Paris
I remember, she used to come home and tell us these stories about being abroad
And I remember she told us that she jumped into the river once, barefoot

She smiled

Leapt, without looking / And tumbled into the Seine / The water was freezing / She spent a month sneezing / But said she would do it again

Here’s to the ones who dream / Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache / Here’s to the mess we make

She captured a feeling/ Sky with no ceiling / The sunset inside a frame

She lived in her liquor / And died with a flicker / I’ll always remember the flame

Here’s to the ones who dream/ Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache /Here’s to the mess we make

She told me
“A bit of madness is key / To give us new colors to see /Who knows where it will lead us? /And that’s why they need us”

So bring on the rebels / The ripples from pebbles / The painters, and poets, and plays

And here’s to the fools who dream /Crazy as they may seem /Here’s to the hearts that break 7Here’s to the mess we make

I trace it all back to then / Her, and the snow, and the Seine /Smiling through it /She said she’d do it again

Escrita por Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Noble Paul • Copyright © Warner/Chappell Music, Inc

Bandas Sonoras brilhantes

Acho que é do conhecimento geral a minha paixão assolapada por bandas sonoras. Este apanhado é pura e simplesmente brilhante. Podia ter sido retirado de uma cerimónia dos oscares.  Muito bonito. 🙂

No meu carro hoje tocava  Amanda Ghost, Cellophane (OST do filme Sweet November).

“Nobody moves me
I’ve been through this life with no place that I can call my own.Thinking above me
I never seem to find anybody that can feel like home
And I try and I try and I try.
Funny how it feels when there’s nothing to say.
Trapped with my ideals I can’t contain
I’m wrapped in cellophane.
Nobody told me obsessive needs were always following me around
And you can’t ignore me.
Look at my face and then tell me my place in town
And he’s in and she’s in and he’s in and she’s in
And I try and I try and he’s in and she’s in and he’s in and she’s in.”

Mas também gosto muito desta, em especial da música que ocupa o 8º lugar:08: The Illusionist – The Orange Tree, by Philip Glass.

21 guns

21 Guns

Green Day

“Do you know what’s worth fighting for,
When it’s not worth dying for?
Does it take your breath away
And you feel yourself suffocating?
Does the pain weigh out the pride?
And you look for a place to hide?
Did someone break your heart inside?
You’re in ruins.

One, 21 guns
Lay down your arms
Give up the fight
One, 21 guns
Throw up your arms into the sky,
You and I

When you’re at the end of the road
And you lost all sense of control
And your thoughts have taken their toll
When your mind breaks the spirit of your soul
Your faith walks on broken glass
And the hangover doesn’t pass
Nothing’s ever built to last
You’re in ruins.

One, 21 guns
Lay down your arms
Give up the fight
One, 21 guns
Throw up your arms into the sky,
You and I

Did you try to live on your own
When you burned down the house and home?
Did you stand too close to the fire?
Like a liar looking for forgiveness from a stone

When it’s time to live and let die
And you can’t get another try
Something inside this heart has died
You’re in ruins.

One, 21 guns
Lay down your arms
Give up the fight
One, 21 guns
Throw up your arms into the sky (x2)

you and I. “