O jogo MIKADO SPIEL (2011/2012)

O jogo MIKADO SPIEL :: Ensaio de Vera Lúcia Inácio

UNIVERSIDADE DO MINHO – INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

ENSAIO PARA A UC DESIGN DE VIDEOJOGOS

A actividade de jogar proporciona aos seus participantes um efeito de abstracção em relação ao quotidiano, criando uma distanciação mais ou menos realista entre o momento de trabalho e o momento de lazer.

Com base no pensamento de Caillois, a actividade proporcionada pelo tradicional e antigo Mikado remete-o para a categoria de jogo por não ser uma acção com cariz produtivo, sério ou obrigar a qualquer tipo de compromisso associado à vida adulta comum. É uma actividade de lazer, sem outro objetivo.

Como qualquer outro jogo, é regido por um conjunto de regras que delimitam o seu funcionamento e regulamentam a actuação, criando os “ingredientes” para que o acto de “jogar” Mikado seja uma actividade sem desenvolvimento previsível. Geralmente e segundo a norma, no início de cada jogo, nenhum dos participantes pode ou deve conseguir prever o resultado do mesmo.

Os jogadores entregam-se ao acto de conseguir isolar uma peça única com alguma destreza, na tentativa de não mover qualquer uma das outras em mesa.

O jogo é composto por várias varetas que podem ser de madeira ou de plástico, distinguidas por cores ou riscos que as diferenciam entre si. As peças são unidas num conjunto e largadas sobre uma superfície plana para que possam cair livremente umas sobre as outras e criar assim um jogo. No decorrer de cada ronda, cada um dos jogadores deve retirar o maior número de peças à unidade sem mover as restantes.

Condicionadas pelas suas características específicas, a pontuação das varetas varia entre os 3 pontos e os 20 pontos (apenas atribuídos pela peça única que dá o nome ao jogo = Mikado).

Curiosamente o nome Mikado parece derivar de uma expressão utilizada para falar do Imperador do Japão. Por outro lado “Spiel”, expressão germânica poderá dever-se ao fato do Mikado Spiel ter surgido na Europa central nos anos 30 do século passado.

O Mikado é um jogo de sorte e alguma paciência, que permite uma jogabilidade solitária ou social com um grupo quase ilimitado de jogadores. Segundo Huizinga, citado por Caillois, o jogo é uma acção capaz de absorver o jogador, com uma acção destituída de qualquer tipo de interesse útil e material. Assim se comprova mais uma vez que o Mikado Spiel se enquadra perfeitamente na categoria de jogo, como actividade lúdica e potenciadora de momentos de relaxamento e distanciamento do pensamento de regulação e preocupação com as actividades quotidianas.

CARACTERÍSTICAS MIKADO SPIEL (BOARD GAME)

ARTE

Cores (distinguem as peças com pontuação mais alta) e Formas (definem o jogo).

MATERIAL

Plástico/Madeira

DESIGN

Apesar do seu funcionamento aparentemente fácil, o jogo acaba por obrigar os envolvidos a desenvolver um elevado estado de concentração.

Os jogadores são “obrigados” pelas exigências do jogo a planear estratégias de movimentação das peças da forma mais eficaz possível, para poderem rentabilizar o seu momento de jogada. Quanto maior for o número de oponentes, menor será a possibilidade em cada ronda de recolher mais pontos, as peças mais apetecíveis ou as varetas que exigem menor dificuldade de extracção.

AMBIENTE

Objectos manipuláveis manualmente, com regras que limitam e condicionam a sua utilização em ambiente de jogo.

REGRAS

Sim

Poucas, mas claras: “Se a peça se movimentou, o jogador passa a vez para o oponente seguinte”.

 

RECOMPENSAS E CASTIGOS

O jogador que mover uma peça que não apenas a que está a manipular, sofre uma penalização e perde a vez.

OBJECTIVOS: VITÓRIA ou DERROTA

Vence o jogador que acumular mais pontos (juntar o maior número de varetas com pontuação mais alta).

 

CLASSIFICAÇÃO DO JOGO

AGÔN – O Mikado Spiel é um jogo de competição em que os vários jogadores se defrontam como iguais e têm como objectivo final conquistar o maior número de pontos através da recolha das varetas.

O interesse deste tipo de jogo é ver no final de cada evento, o reconhecimento e consagração do vencedor, como o indivíduo com mais capacidade e destreza no desempenho da actividade.

Ao contrário dos jogos de sorte, Agôn são jogos estritamente de mérito e de oposição de habilidades e competências.

 

 

 

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

http://en.wikipedia.org/wiki/Mikado_%28game%29

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

UM TRABALHO DE VERA INACIO, PARA O MESTRADO EM MEDIA INTERATIVOS DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DO MINHO.

Mentes Criativas: Constrói o teu jogo num dia!

Aprende construindo um jogo apenas em UM DIA!

Já tiveste uma ideia brilhante para um jogo?

Gostavas de saber programar para iPhone, iPad e plataformas móveis em geral?

És curioso(a) e não te assustas com códigos e convívios “geek”?

Gostas de saber como funcionam “as coisas”?

Então esta iniciativa é para ti!!!

Aprende a programar em sem dificuldade e começa a criar os teus próprios jogos e animações criativas!

Fernando Colaço, designer & programador, responsável pelo projecto, defende que Actionscript 3 “é a linguagem ideal para aprender a programar, especialmente graças à facilidade de utilizar e manipular imagens e elementos gráficos e adicionar interactividade.

A abordagem (do workshop) será da forma mais acessível, mesmo sem computadores na primeira hora, com os participantes no palco para ”representar” de uma forma prática como um programa funciona, e conceitos como variáveis, objectos, funções, ciclos e condições. A partir daí, “mãos na massa”, o ritmo vai aumentado e o conteúdo será cada vez mais interessante.”

Sabe mais sobre este evento em Workshop para Mentes Criativas .

Expreriência prévia de programação não é necessária

O que achaste desta iniciativa? Comenta e divulga junto dos teus amigos!

Eu vou! E tu? Vais ficar à espera do que se faz nas “stores” ou vais jogar o teu próprio jogo?