Do que gostaste mais…

“what did you like the most”

Gatos, pretos, de longos bigodes, pensei eu instintivamente.

No outro dia via pela enezima vez o filme “Cidade dos Anjos” mas perdi-me logo no início, quando a menina fala com Seth e diz que a coisa que gostou mais no mundo foram “os pijamas, com pés”.

Fora as respostas óbvias de amar a minha família mais que tudo, a minha filha, o meu companheiro, o chato do meu irmão ou as particularidades da minha mãe… sem contar com eles, pensei… se existir realmente um grupo de anjos… que resposta vou dar no meu último dia…

 

Gostei muito de pessoas, algumas pessoas, aquelas que me surpreenderam com coisas inesperadas e com corações onde cabe sempre um pouco mais. Gosto de pessoas. Daquelas que têm histórias e que mesmo na contrariedade conseguem sorrir. Gosto. Principalmente de quem vive e não se queixa muito, porque lutas todos nós travamos… mas não é a minha primeira opção.

A minha primeira opção é óbvia para quem me conhece… o que mais gostei e mais me fascinou até agora, foram os gatos. Nasci numa casa de cães, muitos, para dizer a verdade dezenas de cães, pequenos, grandes, de rabo curto ou comprido… adoro cães. Tive alguns grandes companheiros que me ajudaram a ser quem sou hoje… a ser mais feliz e a amar os animais.  Mas ainda em miúda descobri os gatos, a sua ligeireza, a sua capacidade de nos ganhar o coração e o olhar, que é das coisas que mais me espanta num gato… podemos olhar para eles durante horas e são fascinantes em todos os aspectos.

gato-2

Gatos e cães IGUAIS!? 

Os gatos e os cães são tão diferentes como iguais. Fisicamente, num olhar menos cuidadoso podemos confundi-los, mas  a força dos cães e a capacidade de trepar dos gatos são características que começam logo por criar aquele entroncamento que os divide em espécies diferentes. Os cães são dedicados, leais, companheiros na sua generalidade. Costumo dizer que se querem ter uma vida activa, arranjem um cão, se querem um companheiro de sofá, arranjem um gato. Obviamente esta é uma frase muito generalista para ambas as espécies e até um tanto injusta… mas isso são outros quinhentos.

Deve ter sido provavelmente por causa do Luna, o gato da Sailor Moon, um dos desenhos animados que via em miúda, que fiquei tão curiosa em relação a gatos. Principalmente a gatos pretos, brancos e cinza… mais tarde descobri os siameses, as tartaruga, os tigrados europeu comum e mais uma série de belezas maravilhosas. Bolas, não existem gatos feios… eles são todos fascinantes!

sailor-moon

Em todo o meu tempo de vida, se tiver de escolher algo (sempre a seguir à minha família), o que eu gostei mais foi de gatos. Gatos pretos, gatos brancos, pequenos, grandes, são místicos, mágicos e excelentes companheiros. Merecem o nosso respeito e merecem dignidade. Existem relatos de gatos que vivem quase 30 anos, sendo que aos 8 anos de vida um gato é considerado sénior, um sexagenário, imaginem quantos anos vive um gato com 20 anos! São verdadeiramente especiais.

Resultado do workshop de PROGRAMAÇÃO PARA DESIGNERS E MENTES CURIOSAS

No final, e por incrivel que pareça, todos conseguiram de forma mais ou menos perfeita, criar um jogo, de uma galinha em fuga, que se defendia a por ovos. (Vá, eu já estava tão cansada que no final perdi-me a inserir as patas no bicho.)

Foi uma actividade divertida, ministrada por uma pessoa que apesar de não ser oficialmente um académico/professor, é um talentoso autodidacta e comunicador. Sem sombra de dúvida que recomendo. A avaliação do workshop é unanime: aprendemos mais num dia do que em anos de aulas.

Parabéns “FColaco“.

 

Querem ter noção da diarreia mental que para aqui vai?

Olhei agora para a mesa de pintura para constatar que tenho 3 fitas em estado de espera e que uma delas ainda nem tem o esboço feito e hoje já é o meu último dia de folga.

Ando tão desorganizada e enterrada em papeis que quase me sinto tentada em apelar a amiga que ilumina sobre as azinheiras. A propósito… Agora nem me falem de Papa… Este fanatismo, este rifdiculo de um estado supostamente laico, anda a deixar-me com os nervos em franja e com o humor sarcastico na ponta da língua… Será que era mesmo necessário? Será que as medalhas dos papas me vão dar entrada vip no céu? Será que os budistas que trabalham na função pública também tem direito a folga? E são obrigados a ir ver o papa? O Papa passa justificação de faltas?

Um blog… um facebook… um twitter… esses disparates todos e uma Gala… uma gala era uma boa opção para divulgar determinada instituição onde fui entrevistada. Estou a pensar numa entrega de prémios e no convite de algumas figuras mais ou menos conhecidas, que possivelmente trabalhariam a pró-bono… (depois do meu desempenho na entrevista, possivelmente não passa de uma ideia, seja como for, guardar em nota de rodapé).

Isto tudo porque tenho trabalho atrasado e detesto. Ando com o sono desregulado, a minha dieta anda p’las ruas da amargura, suspeito que o Misha esteja doente (de novo, algo tipo hipertensão ou diabetes) e o domingo está a chegar e é o pior dia da semana para trabalhar… e eu sei bem qual é o meu mal, mas deixa-me cá estar calada.