Porque é que o amor é complicado

Tenho a certeza de que não sou a única pessoa a pensar sobre o assunto. Dá trabalho conquistar, manter, esperar por um futuro que tem limite. Porque sim. E ninguém quer estar sozinho só porque sim. Ninguém quer perder a fé nas borboletas. Ninguém quer ter um espaço vazio e uma casa a fazer eco quando chega depois de um dia de trabalho.

Porque é que o amor é complicado?

Porque é fácil sentir borboletas na barriga quando o sorriso dele se demora em ti. Toda a fé está posta nas loucuras, nos momentos em que o mundo pára e é só vosso! E é maravilhoso!

Esquecemos todas as vezes em que o coração ficou partido e as lágrimas tomaram conta do nosso rosto.

O amor é difícil por isso mesmo, porque não temos certeza mesmo quando pensamos que temos.

Porque é que o amor é complicado?

Porque todo o amor tem uma fase de deslumbramento e todo o amor nos leva a momentos de monotonia e rotina. Saber lidar com isso também é sentir amor. Saber combater e encontrar soluções, também é amor.

Tudo o que temos é o agora e o que queremos fazer com o “agora”. Se não existir fé, se não existir vontade de mais, de ser feliz, pergunto-me o que fazemos cá?

Sei que o meu coração não é feito de uma única peça. Por mais expostas e pessoais que sejam as minhas reflexões, por mais que falem aquilo que é “meu”, sei que é de todas as peças partidas que se faz a fé no amanhã.

Perguntam-me várias vezes porque é que vamos casar?

Se pensar bem ainda não respondi de forma honesta a ninguém. Respondo hoje a quem quiser ler, na certeza de que o amanhã é incerto.  Quero casar com esta pessoa porque quero viver com ele como se fosse o último dia, quero celebrar o tempo que já passou e o tempo que não sei se eu ou ele temos. Quero celebrar com os nossos amigos e família a maior obra de arte e a “coisa” mais bonita que Ele e Deus me deram, que é o nosso rebento.

Quero sentir o coração cheio e viver a alegria de partilhar a nossa família com o mundo porque a única coisa que temos é o hoje e um coração cheio e sobre o amanhã ninguém sabe. F0dam-se os hipócritas, os corações partidos (porque também já parti o meu e voltei a colar e a partir e a colar, tantas vezes que me esqueci de contar)…

Se sonhar e querer mais fizer de mim uma tola ou uma miúda (é só para acompanhar o aspecto físico)… Sonhar é a única coisa que me mantém a mesma pessoa que carregava uma boneca ruiva pela sala da minha mãe. É a única coisa que me continua a ligar aquela pessoa que aparecia em casa com uma caixa cheia de gatos ou até mesmo à pessoa que fez as malas e foi para Braga atrás da felicidade. Apaixono-me todos os dias, por mim a ser feliz, por pessoas, por sítios, por detalhes. Tomei uma grande dose de #f0da-se# até chegar aqui. Desisti tantas vezes que me cansei de desistir.

Amar é difícil, mas não amar é mais.

 

 

A soma das partes. Os anos.

Ficava na pele com um gosto doce amargo de quem conta uma história que não é a sua. Velha, cansada.

Os últimos anos não foram fáceis, nem para ela, nem para mim. A pele escureceu, a vida queimou-nos e de um momento para o outro não somos o que éramos quando tínhamos 14 anos.

Depois de muitos anos, de uma vida inteira, resolvi seguir caminho sem a minha primeira tatuagem. A nossa relação não era a mesma e o desgaste era óbvio. Não seria uma questão de retoque mas sim de mudança. O fim estava perto e eu sabia-o.

Tal como da primeira vez, já tinha pensado e repensado… mas o dia certo, a hora mais adequada, permitiram acabar com este sofrimento e a minha tatuagem desapareceu para dar lugar a um estado de alma estampado.

Está enorme, maior do que pensei que seria capaz de fazer. Está negra como o carvão, mas balança e voa, ama e vive. Quase que com vida própria se assume na minha pele.

Aos 32 anos, fiz a minha segunda tatuagem. Anos antes alguém disse: “Quem faz a primeira, faz a segunda…”

E sim, doí, arde, nos dias seguintes doí mais ainda do que aqueles 50 minutos na cadeira do tatuador… Doí quase que como aviso, porque a dor sente-se na pele e na carteira.

Dentro de um par de meses visto-me de “senhora” e não sou a mesma pessoa de há 18 anos atrás.

Eu mostro-a. Depois.

Pessoa e Sobral… que os homens também sentem.

Presságio

O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p’ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P’ra saber que a estão a amar!

 Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…

  • Diz a rede que é de 1928, de Fernando Pessoa…

 

 

Gata 199X-2017

Bem do ladinho do céu tem um lugar chamado Ponte do Arco Íris.
Quando morre um animal que foi especial para alguém daqui, esse animal vai para Ponte do Arco Íris.
Lá existem riachos e colinas para que todos os nossos amigos possam correr e brincar juntos .
Tem muita comida, água e sol, e nossos amigos estão quentinhos e confortáveis. .

Todos os animais que estavam velhos e doentes voltaram a ter vigor e saúde; aqueles que estavam machucados ou aleijados estão inteiros e fortes novamente, exatamente como nas nossas lembranças dos tempos que já se foram.
Os animais estão felizes e contentes, exceto por uma coisinha: cada um deles sente falta de alguém muito especial , que teve que ficar para trás.

Todos correm e brincam juntos, mas chega o dia quando um subitamente para e olha para longe. Seus olhos brilhantes estão atentos; seu corpo treme de ansiedade. De repente ele começa a correr para longe do grupo, voando sobre o gramado verde, suas pernas indo mais e mais rápido.
Você foi avistado, e quando você e o seu amigo finalmente se encontrarem, vocês se abraçam numa reunião feliz, para nunca serem separados novamente. Os beijos alegres chovem sobre o seu rosto; suas mãos afagam de novo a cabeça amada, e você pode olhar mais uma vez nos olhos confiantes do seu amigo, ausentes há tanto tempo da sua vida mas nunca longe do seu coração.
Aí vocês cruzam juntos a Ponte do Arco Íris…

Autor desconhecido

Jogo da Baleia (Rosa)

Olá e boa tarde meus amigos.

Quando me deparei sobre os detalhes sobre o jogo de 50 tarefas de automotilação que termina com o suicídio, já a primeira vítima da Baleia Azul tinha surgido em Albufeira. Sim, aqui mesmo, ao lado de casa.

Felizmente, uma agencia de marketing deciciu num laiovo de inspiração e brilhantismo, criar o jogo da #baleia-do-bem a Baleia Rosa.

Gira, não sou? Clica sobre mim e descobre as tarefas que podes fazer para aderir ao jogo da Baleia Rosa. Começa já! Sê feliz!

A baleia rosa é a soldado que luta no sentido inverso do trabalho feito pela Baleia Azul.  Está cheia de ideias e tarefas positivas que ajudam a trabalhar a auto-estima e o bem estar de quem joga e dos envolvidos no jogo.

No facebook ou na aplicação móvel podemos seguir as várias tarefas e ir postando ou guardando para nós.

Por isso eis a minha primeira tarefa – Escrever no braço de outra pessoa o quanto gosto dela.

 

ps. Sobre a outra, façam um favor, não adicionem pessoas que não conhecem, não respondam no watts a numeros compridos e estranhos, não adiram a grupos esquesitos no face… vamos parar com esta brincadeira de mau gosto.

Visitem antes a Baleia Rosa

Be happy!

Ser Feliz…

Ser Feliz…

Ora ser feliz é uma ambição constante de todo o ser humano. Já repararam como os animais vivem? É por isso que eu gosto de gatos. Neles está o segredo da felicidade. O gato aproveita cada momento a fazer aquilo de que mais gosta, seja a comer, a caçar, a dormir, a suprimir as suas necessidades básicas assim como as necessidades de afecto, carinho. O gato escolheu viver com as pessoas. Neste momento olho para o lado e vejo dois dos meus fieis escudeiros a disfrutar de uma breve soneca e penso:” Ora a seguir ao almoço, uma bela soneca! Eles é que estão cheios de razão!”

Obviamente o ser humano está condicionado aos horários de trabalho, a toda uma rotina, não é fácil enrolarmo-nos no sofá e dormir sempre que nos apetece. O problema é que passamos de um extremo para o outro. Vivemos sob stress constante, quando o stress deveria servir nos primordios da humanidade para nos alertar para os perigos, então tomamos medicamentos para acalmar. Depois precisamos de café para acordar e antes de adormecer voltamos a tomar medicação para adormecer de vez. Andamos dopados em substãncias para controlar o stress e a ansiedade de conseguir um trabalho perfeito, uma vida feliz, ter a casa perfeita e ser feliz. Pensem comigo. Apesar de sermos os bipedes mais inteligentes da terra, devemos um bocado ao bom senso. Mais cedo ou mais tarde vamos ser obrigados a recuar e pausar o stress para conseguir pensar e agir.

Ser Feliz… sou a última pessoa a ter a solução para a felicidade. Cada um deve olhar para dentro de si e procurar a luz que lhe indica o caminho (soa a banha da cobra, mas algures está a resposta, e não é em nenhum blog).

Eu agora vou fazer uma receição decente e colorida e talvez consiga dormir uns minutinhos a seguir ou meditar… Depois de uma manhã a procurar trabalho, também mereço.

Acreditar todos os dias, orar e fazer uma boa higiene mental.

Não esqueçam: Ser feliz não é uma meta, é um caminho! 😉

Have a Nice Day

Imagem roubada do face, sem créditos, mas acredito que tenha dono. Por isso, acuse-se que eu terei todo o gosto em atribuir os créditos. :*

O jogo MIKADO SPIEL (2011/2012)

O jogo MIKADO SPIEL :: Ensaio de Vera Lúcia Inácio

UNIVERSIDADE DO MINHO – INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

ENSAIO PARA A UC DESIGN DE VIDEOJOGOS

A actividade de jogar proporciona aos seus participantes um efeito de abstracção em relação ao quotidiano, criando uma distanciação mais ou menos realista entre o momento de trabalho e o momento de lazer.

Com base no pensamento de Caillois, a actividade proporcionada pelo tradicional e antigo Mikado remete-o para a categoria de jogo por não ser uma acção com cariz produtivo, sério ou obrigar a qualquer tipo de compromisso associado à vida adulta comum. É uma actividade de lazer, sem outro objetivo.

Como qualquer outro jogo, é regido por um conjunto de regras que delimitam o seu funcionamento e regulamentam a actuação, criando os “ingredientes” para que o acto de “jogar” Mikado seja uma actividade sem desenvolvimento previsível. Geralmente e segundo a norma, no início de cada jogo, nenhum dos participantes pode ou deve conseguir prever o resultado do mesmo.

Os jogadores entregam-se ao acto de conseguir isolar uma peça única com alguma destreza, na tentativa de não mover qualquer uma das outras em mesa.

O jogo é composto por várias varetas que podem ser de madeira ou de plástico, distinguidas por cores ou riscos que as diferenciam entre si. As peças são unidas num conjunto e largadas sobre uma superfície plana para que possam cair livremente umas sobre as outras e criar assim um jogo. No decorrer de cada ronda, cada um dos jogadores deve retirar o maior número de peças à unidade sem mover as restantes.

Condicionadas pelas suas características específicas, a pontuação das varetas varia entre os 3 pontos e os 20 pontos (apenas atribuídos pela peça única que dá o nome ao jogo = Mikado).

Curiosamente o nome Mikado parece derivar de uma expressão utilizada para falar do Imperador do Japão. Por outro lado “Spiel”, expressão germânica poderá dever-se ao fato do Mikado Spiel ter surgido na Europa central nos anos 30 do século passado.

O Mikado é um jogo de sorte e alguma paciência, que permite uma jogabilidade solitária ou social com um grupo quase ilimitado de jogadores. Segundo Huizinga, citado por Caillois, o jogo é uma acção capaz de absorver o jogador, com uma acção destituída de qualquer tipo de interesse útil e material. Assim se comprova mais uma vez que o Mikado Spiel se enquadra perfeitamente na categoria de jogo, como actividade lúdica e potenciadora de momentos de relaxamento e distanciamento do pensamento de regulação e preocupação com as actividades quotidianas.

CARACTERÍSTICAS MIKADO SPIEL (BOARD GAME)

ARTE

Cores (distinguem as peças com pontuação mais alta) e Formas (definem o jogo).

MATERIAL

Plástico/Madeira

DESIGN

Apesar do seu funcionamento aparentemente fácil, o jogo acaba por obrigar os envolvidos a desenvolver um elevado estado de concentração.

Os jogadores são “obrigados” pelas exigências do jogo a planear estratégias de movimentação das peças da forma mais eficaz possível, para poderem rentabilizar o seu momento de jogada. Quanto maior for o número de oponentes, menor será a possibilidade em cada ronda de recolher mais pontos, as peças mais apetecíveis ou as varetas que exigem menor dificuldade de extracção.

AMBIENTE

Objectos manipuláveis manualmente, com regras que limitam e condicionam a sua utilização em ambiente de jogo.

REGRAS

Sim

Poucas, mas claras: “Se a peça se movimentou, o jogador passa a vez para o oponente seguinte”.

 

RECOMPENSAS E CASTIGOS

O jogador que mover uma peça que não apenas a que está a manipular, sofre uma penalização e perde a vez.

OBJECTIVOS: VITÓRIA ou DERROTA

Vence o jogador que acumular mais pontos (juntar o maior número de varetas com pontuação mais alta).

 

CLASSIFICAÇÃO DO JOGO

AGÔN – O Mikado Spiel é um jogo de competição em que os vários jogadores se defrontam como iguais e têm como objectivo final conquistar o maior número de pontos através da recolha das varetas.

O interesse deste tipo de jogo é ver no final de cada evento, o reconhecimento e consagração do vencedor, como o indivíduo com mais capacidade e destreza no desempenho da actividade.

Ao contrário dos jogos de sorte, Agôn são jogos estritamente de mérito e de oposição de habilidades e competências.

 

 

 

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

http://en.wikipedia.org/wiki/Mikado_%28game%29

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

UM TRABALHO DE VERA INACIO, PARA O MESTRADO EM MEDIA INTERATIVOS DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DO MINHO.

Mooc’s – Estudar na internet

screenshot-2017-03-04-00-24-45

A quantidade de informação que podemos encontrar online sobre determinado tema, é infinita, tanto como o espaço sideral que até hoje se considera em expansão. A grande questão aqui é, saber onde procurar e como ser auto-didata nos assuntos que são do nosso interesse pessoal e/ou profissional.

Uma grande ajuda são sítios que em parceria com Universidades por todo o mundo, compilam cursos que podem ir desde a comunicação e marketing, passando por física, nutrição , línguas, ciências de dados e informática… A oferta é vasta! Este é o pró, o contra é que apesar do acesso aos cursos ser livre, existe um elevado nível de desistências por falta de comprometimento dos alunos. Sem julgamento de valores. Estes cursos apesar de serem muitas vezes observados com olhares duvidosos, obrigam a um forte comprometimento por parte do estudante, principalmente se forem realizados numa língua estrangeira. São realizados testes após a matéria ministrada, existe a avaliação de textos (agora experimentem escrever sobre um tipo de cancro de pele sobre o qual nunca ouviram falar, em inglês, mantendo um raciocínio lógico entre o que foi dito num contexto absolutamente novo). Pessoalmente já experimentei o Coursera e o EDX e gosto de ambos. Apesar dos valores para a certificação, deixarem um pouco a desejar, mas se o fruto é retirado da formação, esse está ao acesso de todos.

Por outro lado existe o Duolinguo que também me agrada bastante por ser uma ferramenta que nos desafia à aprendizagem de línguas, recorrendo a um jogo. É divertido. Não sendo académico, começa a ser reconhecido pelas comunidades de alunos online, como uma ferramenta séria (com algumas falhas, mais recorrentes do que o esperado), mas ainda assim uma ferramenta útil e inovadora.

Meus caros, aceito sugestões para sites de aprendizagem online, principalmente associados a Universidades ou a aprendizagem inovadora.

Tenho o blog de “portas abertas a comentários e sugestões”.

ABERTO CURSO CED – FARO

DIVULGAÇÃO: FORMAÇÕES

“FORMAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA – MÉTODO CED (CAPTURAR-ESTERILIZAR-DEVOLVER) EM COLÓNIAS DE GATOS SILVESTRES | FARO

No próximo dia 12 de Março (Domingo), entre as 10 e as 18 horas, a Animais de Rua, em parceria com a Change For Animals Foundation, vai promover uma nova formação sobre o método CED (Capturar-Esterilizar-Devolver), o único método verdadeiramente eficaz e humano de controlo da população felina silvestre.

A formação terá lugar em Faro e será composta por um módulo teórico, durante o qual serão pormenorizadas as diversas etapas do programa CED incluindo a utilização dos materiais de captura, e um módulo prático onde os formandos poderão aplicar os conhecimentos adquiridos numa captura a decorrer numa colónia sinalizada pela Animais de Rua.

As inscrições devem ser feitas até ao dia 9 de Março através do e-mail dora.algarvio@animaisderua.org e têm o valor simbólico de 5€. A transferência deve ser efectuada para o IBAN PT50 0065 0921 0020 1240009 31 e o respectivo comprovativo enviado para o e-mail faro@animaisderua.org.

No final da formação será entregue um Certificado de Formação Profissional, emitido na plataforma SIGO, nos termos da Portaria 474/2010 de 8 de julho. A emissão deste certificado credita as competências adquiridas na Caderneta Individual de Competências (CIC).
Contamos com a sua presença e o seu apoio na construção de uma sociedade mais consciente!”

ced-animais-de-rua

Cães e gatos vivem mais…

Cães e gatos vivem mais dois anos do que há uma década, dia o artigo de 17 de Fevereiro de 2017, do Observador.
Os cães e gatos que recebem os devidos cuidados vivem mais dois anos do que há uma década, segundo a perceção de Luís Montenegro, diretor clínico do Hospital Veterinário Montenegro.

Está tudo relacionado com os cuidados que temos com os nossos animais, relacionados com saúde e bem-estar. Visitas mais frequentes ao veterinário, melhor alimentação, maiores cuidados no sentido de evitar que estes se exponham a perigos desnecessários. Pode saber mais aqui, no artigo original

Ele há dias...

The Fools Who Dream

Esta é um brinde a nós que ainda sonhamos, “The fools who dream”…A letra podem ver no vídeo ou ali abaixo escrita em bloco. (By the way, pequeno detalhe, esta pérola de música foi indicada para Óscar de melhor música original…)

Letra em tradução literal para Português:

A minha Tia costumava viver em Paris, eu lembro, ela costumava chegar a casa e contar-nos histórias sobre a vida lá fora. E eu recordo que ela contou-nos que saltou uma vez para um rio, descalça.

Ela sorriu

Saltou, sem olhar / E caiu no Sena/ A água era gelada/ Ela passou um mês a espirrar/ Mas diz que faria tudo de novo

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela apanhou um sentimento/ Céu sem tecto/ Pôr do sol dentro de uma moldura

Ela vivia na bebida/ E morreu num sopro / Eu vou sempre lembrar a chama

Esta é para os que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que ardem/ Esta é para o estrago que fazemos

Ela disse-me / “Um pouco de loucura é chave / Para dar-nos novas cores a ver/ Quem sabe onde nos levará? / E é por isso que eles precisam de nós”

Então tragam rebeldes / ondulação dos seixos / Os Pintores, e poetas e peças

E esta é para os tolos que sonham/ Por mais tolos que pareçam/ Esta é para os corações que se quebram/ Esta é para o estrago que fazemos

Eu volto atrás até lá / Ela, e a neve, e o Sena / Sorrindo por isso / Ela disse que o faria de novo.

Lyrics English (Original):

My aunt used to live in Paris
I remember, she used to come home and tell us these stories about being abroad
And I remember she told us that she jumped into the river once, barefoot

She smiled

Leapt, without looking / And tumbled into the Seine / The water was freezing / She spent a month sneezing / But said she would do it again

Here’s to the ones who dream / Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache / Here’s to the mess we make

She captured a feeling/ Sky with no ceiling / The sunset inside a frame

She lived in her liquor / And died with a flicker / I’ll always remember the flame

Here’s to the ones who dream/ Foolish as they may seem /Here’s to the hearts that ache /Here’s to the mess we make

She told me
“A bit of madness is key / To give us new colors to see /Who knows where it will lead us? /And that’s why they need us”

So bring on the rebels / The ripples from pebbles / The painters, and poets, and plays

And here’s to the fools who dream /Crazy as they may seem /Here’s to the hearts that break 7Here’s to the mess we make

I trace it all back to then / Her, and the snow, and the Seine /Smiling through it /She said she’d do it again

Escrita por Justin Hurwitz, Benj Pasek, Justin Noble Paul • Copyright © Warner/Chappell Music, Inc

Do que gostaste mais…

“what did you like the most”

Gatos, pretos, de longos bigodes, pensei eu instintivamente.

No outro dia via pela enezima vez o filme “Cidade dos Anjos” mas perdi-me logo no início, quando a menina fala com Seth e diz que a coisa que gostou mais no mundo foram “os pijamas, com pés”.

Fora as respostas óbvias de amar a minha família mais que tudo, a minha filha, o meu companheiro, o chato do meu irmão ou as particularidades da minha mãe… sem contar com eles, pensei… se existir realmente um grupo de anjos… que resposta vou dar no meu último dia…

 

Gostei muito de pessoas, algumas pessoas, aquelas que me surpreenderam com coisas inesperadas e com corações onde cabe sempre um pouco mais. Gosto de pessoas. Daquelas que têm histórias e que mesmo na contrariedade conseguem sorrir. Gosto. Principalmente de quem vive e não se queixa muito, porque lutas todos nós travamos… mas não é a minha primeira opção.

A minha primeira opção é óbvia para quem me conhece… o que mais gostei e mais me fascinou até agora, foram os gatos. Nasci numa casa de cães, muitos, para dizer a verdade dezenas de cães, pequenos, grandes, de rabo curto ou comprido… adoro cães. Tive alguns grandes companheiros que me ajudaram a ser quem sou hoje… a ser mais feliz e a amar os animais.  Mas ainda em miúda descobri os gatos, a sua ligeireza, a sua capacidade de nos ganhar o coração e o olhar, que é das coisas que mais me espanta num gato… podemos olhar para eles durante horas e são fascinantes em todos os aspectos.

gato-2

Gatos e cães IGUAIS!? 

Os gatos e os cães são tão diferentes como iguais. Fisicamente, num olhar menos cuidadoso podemos confundi-los, mas  a força dos cães e a capacidade de trepar dos gatos são características que começam logo por criar aquele entroncamento que os divide em espécies diferentes. Os cães são dedicados, leais, companheiros na sua generalidade. Costumo dizer que se querem ter uma vida activa, arranjem um cão, se querem um companheiro de sofá, arranjem um gato. Obviamente esta é uma frase muito generalista para ambas as espécies e até um tanto injusta… mas isso são outros quinhentos.

Deve ter sido provavelmente por causa do Luna, o gato da Sailor Moon, um dos desenhos animados que via em miúda, que fiquei tão curiosa em relação a gatos. Principalmente a gatos pretos, brancos e cinza… mais tarde descobri os siameses, as tartaruga, os tigrados europeu comum e mais uma série de belezas maravilhosas. Bolas, não existem gatos feios… eles são todos fascinantes!

sailor-moon

Em todo o meu tempo de vida, se tiver de escolher algo (sempre a seguir à minha família), o que eu gostei mais foi de gatos. Gatos pretos, gatos brancos, pequenos, grandes, são místicos, mágicos e excelentes companheiros. Merecem o nosso respeito e merecem dignidade. Existem relatos de gatos que vivem quase 30 anos, sendo que aos 8 anos de vida um gato é considerado sénior, um sexagenário, imaginem quantos anos vive um gato com 20 anos! São verdadeiramente especiais.