a dívida do Sonho

a-divida-do-sonho

A construção do sonho é infundada, crua, por isso chamar-lhe sonho. Os outros chamam-lhe romantismo.

A procura do sonho, da autodeterminação, da vontade de vencer, sem estrangeirismos e sem marketing de bolso. Hoje não existe uma pessoa que não seja nutricionista para criticar os gordos e os magros, não existe uma pessoa que não seja pediatra para criticar as mães ou apontar o dedo a quem não quer ter filhos e estranhamente não existe quem não defenda os sonhos… e aqui estou eu a defender os sonhos, do alto do meu sofá.

Os sonhos são coisas antigas como cicatrizes de infância, e não me recordo de em algum ponto da minha vida ter desistido de ser quem sou, porque a par de todas as capacidades e formações, de tudo o que sou capaz de fazer (estranhamente e sem modéstia, de tudo um pouco), o sonho acabou por ser o único escondido pelo nevoeiro. Poético mas, tens de ir à escola, escolher um curso a em que te encaixem (não interessa se se adequa ao teu coração, à tua pessoa, à tua alma, ele tem de se adequar à tua média). Poucos eram os que realmente gostavam de informática quando ingressei o curso profissional de Informática Fundamental, no entanto quando escolhi lutar pelo acesso ao ensino superior, estava apaixonada pelo lado romântico do jornalismo. Queria falar de pessoas para pessoas. Queria como sempre quis, ajudar. Sem arrependimentos, devia ter ido na altura para bombeira ou enfermeira. Supria esta necessidade de forma muito mais prática.

Ser mãe, escrever (ilustrar um livro), plantar uma árvore (ou uma dezena), tudo isso são marcos, são pontos de felicidade. Ser mãe é parte da essência, é um luxo nos dias que correm. Fazer filhos é fácil, ser mãe e ser pai é cansativo, leva-nos o tempo e a energia, mas deixa-nos a pensar no que queremos fazer por este mundo. Todo o Pai e toda a Mãe se sente ridiculamente pequeno. Deixamos de ser filhos, agora somos Pais, e temos de fazer o mundo girar de forma a que o legado seja útil, rico, proteja os sonhos, o trabalho e os objectivos daquele pequeno ser, que o pior de tudo é não te pertencer. Ser Pai/Mãe é o maior acto de abnegação

Ainda não fez um ano desde que a decisão de mudar de área e guardar o canudo numa gaveta foi tomada. Claro que não tomei essa decisão sozinha. Claro que qualquer caminho agora é feito a uma velocidade mais contida, ainda assim, como diz o ditado:” Sozinho vais mais depressa, acompanhado vais mais longe”.

O renascimento do sonho é a promessa de que no dia em que a minha filha me pedir para acreditar que ela é capaz, nós vamos ser moralmente capazes de responder sem fantasmas, sem desculpas e sem mentiras.

A dívida do sonho.

Anúncios

“Deixa lá, não faz mal!”. Faz pois!

“Gravidez não é doença”, da mesma forma que não ir votar é normal, trabalhar a mais sem receber mais e não reclamar é normal ou esperar um serviço público ineficiente, seja algo corriqueiro. Gravidez não é doença, e muitas vezes com a desculpa de não ser doença as grávidas abrem mão dos seus direitos, tentam fazer mais do que os outros só para mostrar que “gravidez não é doença”, ignorando, com o típico “deixa lá, não faz mal!”. Faz sim! Claro que faz!

Existem lugares prioritários, existem direitos laborais, existem regalias ao nível da saúde e do bem estar materno e da criança que não deviam ser ignorados. De facto gravidez não é doença, não é motivo para “frescura” como dizem os irmãos da terra do sol. E há muita frescura, todos conhecemos situações de “frescura”, nas mais diversas situações (mas de fora é sempre mais fácil julgar). Gravidez não é doença, no entanto, “parvo” é quem não luta pelos seus direitos e deixa que estes sejam ignorados, fechando assim a porta a quem o segue, contribuindo para que esses mesmos direitos desapareçam. Todos temos deveres, cada vez mais, o que nos diz respeito e o que não diz, isso e mais qualquer coisinha, em prol quase sempre de um argumento abstracto. É delicioso na sua ironia. Nem para os nossos somos bons, e que raio de exemplo maravilhoso estamos a dar?

Tens direitos e não os usas? “Deixa lá, não faz mal!”. Faz pois!

________

Este artigo tem 2 anos e estava “escondido” nos rascunhos do blog… vejam só!