Publicado em As Causas, Educação e Formação, Opinião

Mooc’s – Estudar na internet

screenshot-2017-03-04-00-24-45

A quantidade de informação que podemos encontrar online sobre determinado tema, é infinita, tanto como o espaço sideral que até hoje se considera em expansão. A grande questão aqui é, saber onde procurar e como ser auto-didata nos assuntos que são do nosso interesse pessoal e/ou profissional.

Uma grande ajuda são sítios que em parceria com Universidades por todo o mundo, compilam cursos que podem ir desde a comunicação e marketing, passando por física, nutrição , línguas, ciências de dados e informática… A oferta é vasta! Este é o pró, o contra é que apesar do acesso aos cursos ser livre, existe um elevado nível de desistências por falta de comprometimento dos alunos. Sem julgamento de valores. Estes cursos apesar de serem muitas vezes observados com olhares duvidosos, obrigam a um forte comprometimento por parte do estudante, principalmente se forem realizados numa língua estrangeira. São realizados testes após a matéria ministrada, existe a avaliação de textos (agora experimentem escrever sobre um tipo de cancro de pele sobre o qual nunca ouviram falar, em inglês, mantendo um raciocínio lógico entre o que foi dito num contexto absolutamente novo). Pessoalmente já experimentei o Coursera e o EDX e gosto de ambos. Apesar dos valores para a certificação, deixarem um pouco a desejar, mas se o fruto é retirado da formação, esse está ao acesso de todos.

Por outro lado existe o Duolinguo que também me agrada bastante por ser uma ferramenta que nos desafia à aprendizagem de línguas, recorrendo a um jogo. É divertido. Não sendo académico, começa a ser reconhecido pelas comunidades de alunos online, como uma ferramenta séria (com algumas falhas, mais recorrentes do que o esperado), mas ainda assim uma ferramenta útil e inovadora.

Meus caros, aceito sugestões para sites de aprendizagem online, principalmente associados a Universidades ou a aprendizagem inovadora.

Tenho o blog de “portas abertas a comentários e sugestões”.

Anúncios
Publicado em As Causas

Sobre a I. – Sempre sobre ela.

 

10407890_10153339700357516_9193090431994266826_n

Tenho de admitir que Eduardo Sá nunca foi uma pessoa que me chamasse a atenção, até agora.

 

O jardim de infância serve para brincar. Porque quem não brinca fica fechado (e desconfiado) no seu mundo e, em vez de ficar amigo da diferença (sem a qual nunca se cresce) fica xenófobo e arrogante, mais agarrado ao passado do que amigo do futuro.

Por Eduardo Sá, Psicologo , AQUI

 

Sofro por antecipação, por saber que apesar de ser a minha filha e de os assuntos sobre ela dependerem apenas das decisões que eu e o pai tomamos (EM CONJUNTO, SÓ, OS DOIS), vai haver sempre quem queira impor e forçar decisões que não lhes competem.

Hoje li o texto de uma amiga sobre os julgamentos, as decisões e a mania que as pessoas têm de opinar e decidir sobre a vida dos outros.

Vamos cometer certamente muitos erros, mas vão ser os nossos erros, vão ser aqueles que vão fazer de nós bons ou maus pais. E de uma coisa tenho a certeza, sobre a saúde, educação, alimentação, valores da minha filha, não abro mão. Espero não ter de repetir ou justificar as nossas decisões, porque se isso acontecer não vai acontecer de forma vã, tão pouco cordial. Já perdi bastante da minha vida e da minha liberdade pessoal dizendo que sim a tudo e permitindo-me perder terreno sobre as minhas decisões (que são minhas e não de domínio público).

Conto que cada um faça O SEU papel e não o papel dos pais.

 

Será uma boa ideia os interessados decidirem ler todo o texto.AQUI.