Publicado em Música, OUTROS

49/365 Iris, City of Angels

Faz hoje 20 anos que o single foi lançado e roubou o coração de milhares de românticos por esse mundo.

Parte da banda sonora de “Cidade dos Anjos”, com Nicolas Cage e Mega Ryan… A história de um Anjo que desiste de tudo e “cai” no vazio, numa metáfora sobre o amor, perda, crescimento e aceitação.

20 anos… Calma relógio, calma!

Letra de Iris, Go Go Dolls

And I’d give up forever to touch you
Cause I know that you feel me somehow
You’re the closest to heaven that I’ll ever be
And I don’t want to go home right now
And all I can taste is this moment
And all I can breathe is your life
‘Cause sooner or later, it’s over
I just don’t want to miss you tonight
And I don’t want the world to see me
‘Cause I don’t think that they’d understand
When everything’s made to be broken
I just want you to know who I am

And you can’t fight the tears that ain’t coming
Or the moment of truth in your lies
When everything feels like the movies
Yeah, you bleed just to know you’re alive
And I don’t want the world to see me
‘Cause I don’t think that they’d understand
When everything’s made to be broken
I just want you to know who I am

Anúncios
Publicado em Música, Opinião, OUTROS

Dia 50/365 – Son of God, Son of God

O filho de Deus“, que teve como protagonista Diogo Morgado, data de 2014. Dirigido por Christopher Spencer, a música escolhida para o último dia do mês de Março, tem o mesmo nome dd filme e pertence  Hans Zimmer, um nome que tenho mencionado bastante nos últimos posts. 

Enjoy the music and may god have mercy on our souls.

Publicado em Música, Opinião

Dia 45/365 – Too lost in you, Love Actually

Todas as histórias de amor deviam ter uma banda sonora tocada a piano ou com o embalo de cordas. É como ter um bom vinho a acompanhar um jantar especial.

Love Actually” ou “O amor acontece”, de 2003 é a reunião de várias histórias felizes e menos felizes sobre amor. Não me recordo de uma só música neste disco que não seja absolutamente espétacular e com a qual não pense em fazer algo de profundamente emotivo e especial. É inspiração pura!

Hoje que é “oficialmente” o dia dele, e podem “dar-lhe com o clichet”…

Comprem uma caixa de morangos, uma garrafa de espumante docinho e preparem um banho de espuma para a vossa cara metade… o resto deixem a banda sonora fazer 😉

 

Para os solteiros que ainda acreditam em finais felizes, deixo esta ❤  Be Happy!

E olha que vem aí a Aurélia e o Jamie e pronto! Puff! Fez-se o final feliz! 😉

(Uma das minhas favoritas, de SEMPRE… )

Publicado em OUTROS

Dia 43/365 – Opening, Modern Times

Modern Times“, de 1936 continua a ser um dos filmes com melhor avaliação do IMDB.

Penso que os mais velhos ainda têm memória de ver o filme passar na RTP1 ao fim-de-semana, quando ainda só tinhamos acesso a dois canais de televisão. A verdade é que o sentido de humor deste pequeno homenzinho mudo, de bigode, marcou gerações.

Recomendo a visualização deste clássico.

Sinopse:

O icónico Vagabundo está empregado em uma fábrica, onde as máquinas inevitável e completamente o dominam e vários percalços o levam para a prisão. Entre suas passagens pela prisão, ele conhece e faz amizade com uma garota órfã. Ambos, juntos e separados, tentam lidar com as dificuldades da vida moderna, o Vagabundo trabalhando como garçom e, eventualmente, um artista.

Publicado em OUTROS

Dia 41/365 – Southampton, Titanic

 

Foi com James Horner que descobri que gostava de bandas sonoras e foi como instrumental de Titanic que percebi o quão profunda pode ser a ligação entre uma banda sonora e uma história. Espero que gostem desta especialmente escolhida para quem acredita em grandes sonhos!

Southampton é uma das minhas favoritas ❤

 

Rose Theme

Publicado em Música, OUTROS

Dia 38/365 – It all runs together, Marley & me

Segundo o IMDB, Marley & Eu, que teve origem na história de John Grogan e do seu cão, Marley, o “pior cão do mundo”…

“Chamavam-se John e Jenny, eram jovens, apaixonados e estavam a começar a sua vida juntos, sem grandes preocupações, até ao momento em que levaram para casa Marley, “um bola de pêlo amarelo em forma de cachorro”, que, rapidamente, se transformou num labrador enorme e encorpado de 43 quilos. Era um cão como não havia outro nas redondezas: arrombava portas, esgadanhava paredes, babava-se todo por cima das visitas, roubava roupa interior feminina e abocanhava tudo a que pudesse deitar o dente. De nada lhe valeram os tranquilizantes receitados pelo veterinário, nem, tão pouco, a “escola de boas maneiras”, de onde, aliás, foi expulso.
Só que Marley tinha um coração puro e a sua lealdade era incondicional. Partilhou a alegria da primeira gravidez do casal e o seu desgosto com a morte prematura do feto, esteve sempre presente no nascimento dos bebés ou quando os gritos de uma vítima de esfaqueamento ecoaram pela noite dentro. Conseguiu ainda a “proeza” de encerrar uma praia pública e arranjou um papel numa longa-metragem, através do qual se fartou de “conquistar” corações humanos. “

Sinopse Wook