Porquê Capturar – Esterilizar – Devolver Gatos?

O programa CED é defendido principalmente por associações que promovem o bem-estar animal e se deparam com problemas como colónias de gatos  de populações descontroladas em meio urbano ou limítrofe.

Este é um problema real.

                     COMO É POSSÍVEL???

É possível sim, se uma colónia não for controlada! Os animais não sofrem, são capturados e tratados com os maiores cuidados possíveis e imaginários, tanto para minimizar o stress, como para em pós-operatório recuperarem perfeitamente para poderem voltar ao seu habitat regular.

Capturar-Esterilizar-Devolver é um método humano e eficaz de controlo de colónias de gatos e de redução da população felina silvestre. O processo envolve a captura dos gatos de uma colónia, a sua esterilização, um pequeno corte na orelha esquerda para fins de identificação, desparasitação e, por fim, a devolução do animal de volta ao seu território de origem. Sempre que possível, os animais adultos meigos e e as crias que ainda estejam em idade de sociabilização são retirados das colónias e encaminhados para adopção. Um prestador de cuidados fornece comida e abrigo aos gatos devolvidos, monitoriza a colónia à procura de elementos novos e faz a mediação dos conflitos que possam surgir entre os gatos e a comunidade envolvente.

Mais em Animais de Rua

 

Anúncios

Animais: Seres pensantes ou decisores por instinto

INSIDE THE MINDS OF ANIMALS – O que pensam os animais e nós sobre eles? Eis um TedEx curioso que fala sobre as diferenças de perspectiva entre as espécies e serve como mote para pararmos e meditarmos sobre a forma como encaramos o “outro” em particular, espécies diferentes. Sabemos assim tanto? Estaremos assim tão distantes destes?

O jogo MIKADO SPIEL (2011/2012)

O jogo MIKADO SPIEL :: Ensaio de Vera Lúcia Inácio

UNIVERSIDADE DO MINHO – INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

ENSAIO PARA A UC DESIGN DE VIDEOJOGOS

A actividade de jogar proporciona aos seus participantes um efeito de abstracção em relação ao quotidiano, criando uma distanciação mais ou menos realista entre o momento de trabalho e o momento de lazer.

Com base no pensamento de Caillois, a actividade proporcionada pelo tradicional e antigo Mikado remete-o para a categoria de jogo por não ser uma acção com cariz produtivo, sério ou obrigar a qualquer tipo de compromisso associado à vida adulta comum. É uma actividade de lazer, sem outro objetivo.

Como qualquer outro jogo, é regido por um conjunto de regras que delimitam o seu funcionamento e regulamentam a actuação, criando os “ingredientes” para que o acto de “jogar” Mikado seja uma actividade sem desenvolvimento previsível. Geralmente e segundo a norma, no início de cada jogo, nenhum dos participantes pode ou deve conseguir prever o resultado do mesmo.

Os jogadores entregam-se ao acto de conseguir isolar uma peça única com alguma destreza, na tentativa de não mover qualquer uma das outras em mesa.

O jogo é composto por várias varetas que podem ser de madeira ou de plástico, distinguidas por cores ou riscos que as diferenciam entre si. As peças são unidas num conjunto e largadas sobre uma superfície plana para que possam cair livremente umas sobre as outras e criar assim um jogo. No decorrer de cada ronda, cada um dos jogadores deve retirar o maior número de peças à unidade sem mover as restantes.

Condicionadas pelas suas características específicas, a pontuação das varetas varia entre os 3 pontos e os 20 pontos (apenas atribuídos pela peça única que dá o nome ao jogo = Mikado).

Curiosamente o nome Mikado parece derivar de uma expressão utilizada para falar do Imperador do Japão. Por outro lado “Spiel”, expressão germânica poderá dever-se ao fato do Mikado Spiel ter surgido na Europa central nos anos 30 do século passado.

O Mikado é um jogo de sorte e alguma paciência, que permite uma jogabilidade solitária ou social com um grupo quase ilimitado de jogadores. Segundo Huizinga, citado por Caillois, o jogo é uma acção capaz de absorver o jogador, com uma acção destituída de qualquer tipo de interesse útil e material. Assim se comprova mais uma vez que o Mikado Spiel se enquadra perfeitamente na categoria de jogo, como actividade lúdica e potenciadora de momentos de relaxamento e distanciamento do pensamento de regulação e preocupação com as actividades quotidianas.

CARACTERÍSTICAS MIKADO SPIEL (BOARD GAME)

ARTE

Cores (distinguem as peças com pontuação mais alta) e Formas (definem o jogo).

MATERIAL

Plástico/Madeira

DESIGN

Apesar do seu funcionamento aparentemente fácil, o jogo acaba por obrigar os envolvidos a desenvolver um elevado estado de concentração.

Os jogadores são “obrigados” pelas exigências do jogo a planear estratégias de movimentação das peças da forma mais eficaz possível, para poderem rentabilizar o seu momento de jogada. Quanto maior for o número de oponentes, menor será a possibilidade em cada ronda de recolher mais pontos, as peças mais apetecíveis ou as varetas que exigem menor dificuldade de extracção.

AMBIENTE

Objectos manipuláveis manualmente, com regras que limitam e condicionam a sua utilização em ambiente de jogo.

REGRAS

Sim

Poucas, mas claras: “Se a peça se movimentou, o jogador passa a vez para o oponente seguinte”.

 

RECOMPENSAS E CASTIGOS

O jogador que mover uma peça que não apenas a que está a manipular, sofre uma penalização e perde a vez.

OBJECTIVOS: VITÓRIA ou DERROTA

Vence o jogador que acumular mais pontos (juntar o maior número de varetas com pontuação mais alta).

 

CLASSIFICAÇÃO DO JOGO

AGÔN – O Mikado Spiel é um jogo de competição em que os vários jogadores se defrontam como iguais e têm como objectivo final conquistar o maior número de pontos através da recolha das varetas.

O interesse deste tipo de jogo é ver no final de cada evento, o reconhecimento e consagração do vencedor, como o indivíduo com mais capacidade e destreza no desempenho da actividade.

Ao contrário dos jogos de sorte, Agôn são jogos estritamente de mérito e de oposição de habilidades e competências.

 

 

 

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

http://en.wikipedia.org/wiki/Mikado_%28game%29

Caillois, Roger, (1957), Os Jogos e Os Homens, Cotovia, Lisboa

UM TRABALHO DE VERA INACIO, PARA O MESTRADO EM MEDIA INTERATIVOS DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DO MINHO.

a dívida do Sonho

a-divida-do-sonho

A construção do sonho é infundada, crua, por isso chamar-lhe sonho. Os outros chamam-lhe romantismo.

A procura do sonho, da autodeterminação, da vontade de vencer, sem estrangeirismos e sem marketing de bolso. Hoje não existe uma pessoa que não seja nutricionista para criticar os gordos e os magros, não existe uma pessoa que não seja pediatra para criticar as mães ou apontar o dedo a quem não quer ter filhos e estranhamente não existe quem não defenda os sonhos… e aqui estou eu a defender os sonhos, do alto do meu sofá.

Os sonhos são coisas antigas como cicatrizes de infância, e não me recordo de em algum ponto da minha vida ter desistido de ser quem sou, porque a par de todas as capacidades e formações, de tudo o que sou capaz de fazer (estranhamente e sem modéstia, de tudo um pouco), o sonho acabou por ser o único escondido pelo nevoeiro. Poético mas, tens de ir à escola, escolher um curso a em que te encaixem (não interessa se se adequa ao teu coração, à tua pessoa, à tua alma, ele tem de se adequar à tua média). Poucos eram os que realmente gostavam de informática quando ingressei o curso profissional de Informática Fundamental, no entanto quando escolhi lutar pelo acesso ao ensino superior, estava apaixonada pelo lado romântico do jornalismo. Queria falar de pessoas para pessoas. Queria como sempre quis, ajudar. Sem arrependimentos, devia ter ido na altura para bombeira ou enfermeira. Supria esta necessidade de forma muito mais prática.

Ser mãe, escrever (ilustrar um livro), plantar uma árvore (ou uma dezena), tudo isso são marcos, são pontos de felicidade. Ser mãe é parte da essência, é um luxo nos dias que correm. Fazer filhos é fácil, ser mãe e ser pai é cansativo, leva-nos o tempo e a energia, mas deixa-nos a pensar no que queremos fazer por este mundo. Todo o Pai e toda a Mãe se sente ridiculamente pequeno. Deixamos de ser filhos, agora somos Pais, e temos de fazer o mundo girar de forma a que o legado seja útil, rico, proteja os sonhos, o trabalho e os objectivos daquele pequeno ser, que o pior de tudo é não te pertencer. Ser Pai/Mãe é o maior acto de abnegação

Ainda não fez um ano desde que a decisão de mudar de área e guardar o canudo numa gaveta foi tomada. Claro que não tomei essa decisão sozinha. Claro que qualquer caminho agora é feito a uma velocidade mais contida, ainda assim, como diz o ditado:” Sozinho vais mais depressa, acompanhado vais mais longe”.

O renascimento do sonho é a promessa de que no dia em que a minha filha me pedir para acreditar que ela é capaz, nós vamos ser moralmente capazes de responder sem fantasmas, sem desculpas e sem mentiras.

A dívida do sonho.

See you Lesley (AGA) – RIP

Há uns anos apareceu-nos uma gata tartaruga perto de casa… enquanto passeávamos, veio ela do nada ter connosco… o Ricardo diz que foi um sinal, que ela é que nos adoptou… a verdade é que até hoje continua connosco.  No entanto como já tínhamos 3 gatos, resistimos e resistimos… e começamos a pensar em formas de pagar a esterilização… um dia ela desapareceu… apareceu semanas depois com uma barriga enorme… resumindo, estimamos que tenha parido entre 6 a 7 gatos, só encontramos  vivos 4. Nessa altura pedimos ajuda a uma pequena associação, muito generosa que marcou logo as condições plesleyara tratarmos a mãe e os filhos, e por isso cá em casa não há mais surpresas. Conseguimos dar seguimento a alguns para adopção, mas a família aumentou. Outro dia apareceu outra gata, chamamos de Arisca por ser de feitio dificil e ficar apenas na varanda da casa dos meus pais… mal não fazia, foi ficando… mas falamos com a tal associação, e tratamos de a esterilizar antes de termos mais surpresas… Sempre foram assim. Generosos pelos gatos, por quem cuida deles e não tem como cuidar mais, sempre um anjo. Hoje o anjo principal por todas essas ajudas partiu e deixa um sentimento de vazio e tristeza, como no dia em que nos levaram o MNE.

No Facebook da Carvoeiro Cat Charity lê-se:

” We are all very sorry to hear that Lesley Normington passed away yesterday. She was a true ambassador for cats across the Algarve and beyond. She gifted the legacy of the Mr No Ears Retirement Sanctuary at Carvoeiro Cat Charity and Rescue Centre which we will be for ever grateful for.

As Lesley used to say “Its all about the cats”

Que descanse em Paz e que seja recebida como sempre tratou os outros, com simpatia, caridade e um longo grupo de bigodudos de caudas bamboleantes.

 

Felicidade, está olhando para a felicidade!

Repost de um post que encontrei no facebook e que afirma que esta é uma proteína de miostantina/miosina (myosin) a transportar uma molécula de endorfina (hormona da felicidade) para o cérebro. Aí, alguém postou em inglês: “Felicidade, você está a olhar para a felicidade.”

Difícil deixar de olhar para elas, não é?

Original aqui