Animais: Seres pensantes ou decisores por instinto

INSIDE THE MINDS OF ANIMALS – O que pensam os animais e nós sobre eles? Eis um TedEx curioso que fala sobre as diferenças de perspectiva entre as espécies e serve como mote para pararmos e meditarmos sobre a forma como encaramos o “outro” em particular, espécies diferentes. Sabemos assim tanto? Estaremos assim tão distantes destes?

Mooc’s – Estudar na internet

screenshot-2017-03-04-00-24-45

A quantidade de informação que podemos encontrar online sobre determinado tema, é infinita, tanto como o espaço sideral que até hoje se considera em expansão. A grande questão aqui é, saber onde procurar e como ser auto-didata nos assuntos que são do nosso interesse pessoal e/ou profissional.

Uma grande ajuda são sítios que em parceria com Universidades por todo o mundo, compilam cursos que podem ir desde a comunicação e marketing, passando por física, nutrição , línguas, ciências de dados e informática… A oferta é vasta! Este é o pró, o contra é que apesar do acesso aos cursos ser livre, existe um elevado nível de desistências por falta de comprometimento dos alunos. Sem julgamento de valores. Estes cursos apesar de serem muitas vezes observados com olhares duvidosos, obrigam a um forte comprometimento por parte do estudante, principalmente se forem realizados numa língua estrangeira. São realizados testes após a matéria ministrada, existe a avaliação de textos (agora experimentem escrever sobre um tipo de cancro de pele sobre o qual nunca ouviram falar, em inglês, mantendo um raciocínio lógico entre o que foi dito num contexto absolutamente novo). Pessoalmente já experimentei o Coursera e o EDX e gosto de ambos. Apesar dos valores para a certificação, deixarem um pouco a desejar, mas se o fruto é retirado da formação, esse está ao acesso de todos.

Por outro lado existe o Duolinguo que também me agrada bastante por ser uma ferramenta que nos desafia à aprendizagem de línguas, recorrendo a um jogo. É divertido. Não sendo académico, começa a ser reconhecido pelas comunidades de alunos online, como uma ferramenta séria (com algumas falhas, mais recorrentes do que o esperado), mas ainda assim uma ferramenta útil e inovadora.

Meus caros, aceito sugestões para sites de aprendizagem online, principalmente associados a Universidades ou a aprendizagem inovadora.

Tenho o blog de “portas abertas a comentários e sugestões”.

ABERTO CURSO CED – FARO

DIVULGAÇÃO: FORMAÇÕES

“FORMAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA – MÉTODO CED (CAPTURAR-ESTERILIZAR-DEVOLVER) EM COLÓNIAS DE GATOS SILVESTRES | FARO

No próximo dia 12 de Março (Domingo), entre as 10 e as 18 horas, a Animais de Rua, em parceria com a Change For Animals Foundation, vai promover uma nova formação sobre o método CED (Capturar-Esterilizar-Devolver), o único método verdadeiramente eficaz e humano de controlo da população felina silvestre.

A formação terá lugar em Faro e será composta por um módulo teórico, durante o qual serão pormenorizadas as diversas etapas do programa CED incluindo a utilização dos materiais de captura, e um módulo prático onde os formandos poderão aplicar os conhecimentos adquiridos numa captura a decorrer numa colónia sinalizada pela Animais de Rua.

As inscrições devem ser feitas até ao dia 9 de Março através do e-mail dora.algarvio@animaisderua.org e têm o valor simbólico de 5€. A transferência deve ser efectuada para o IBAN PT50 0065 0921 0020 1240009 31 e o respectivo comprovativo enviado para o e-mail faro@animaisderua.org.

No final da formação será entregue um Certificado de Formação Profissional, emitido na plataforma SIGO, nos termos da Portaria 474/2010 de 8 de julho. A emissão deste certificado credita as competências adquiridas na Caderneta Individual de Competências (CIC).
Contamos com a sua presença e o seu apoio na construção de uma sociedade mais consciente!”

ced-animais-de-rua

O Elefante na sala

Um certo dia chegas a casa e tens lá alguém.

Conversas com essa “pessoa” e ela diz que só vai ficar uns momentos.

Os teus amigos dizem para ter paciência e calma. Tu pensas que realmente eles devem ter razão.

A “pessoa” vai embora. Assunto resolvido.

Semanas depois a situação repete-se. Sempre por breves momentos. Aprendes a aceitar. Afinal a vida é assim, as vezes mais vale relaxar e levar.

Com o passar do tempo essa “pessoa” começa a ficar mais tempo. Há dias em que quer conversar e apesar das conversas serem um pouco repetitivas, por vezes fica até amanhecer a falar do mesmo assunto.  E tu pensas… como é que eu vou sair amanhã para a escola, trabalho, estágio… mas não fazes nada porque correr com essa “pessoa” era maluquice. Vamos ser normais e ter calma. Já nem falas disso aos teus amigos. Não os queres saturar e compensas em casa nas folgas. Tentas por o sono em dia.

Passam meses…

O trabalho é cansativo, pensas em mudar de trabalho. Mais cedo ou mais tarde consegues, mas pouca-sorte, não foi tão bom como esperavas. Pelo contrário, foi ainda mais desgastante. Chegas a casa e lá está “ela”. Fala e fala e fala e tu tens de resolver o bolo de problemas mas não sabes como. Tens uma casa para cuidar, tens uma família que precisa da tua atenção, mas esta “amiga” está sempre contigo.

Agora acorda contigo, vai contigo para o trabalho e sem grande decoro fala alto, toca bateria e chama toda uma equipa de amigos para a ajudar. Podia ser divertido se fosse dia de festa, mas não é. Queres trabalhar e o barulho é imenso. Não consegues manter o fóco e quando chegas a casa estás com a energia abaixo de zero…

Existe uma amiga chamada depressão e Portugal é o segundo país no mundo com maior taxa de depressivos, só ultrapassado pelos estados unidos. Isto deve-se muitas vezes à falta de acesso a cuidados básicos da doença, assim como a um tratamento sério que encare a depressão como uma doença do cérebro.

Sabia que na maioria das pessoas o primeiro sintoma que surge é físico? Sabia que quase sempre o suicídio está contextualizado em episódios de depressão? Sabia que a DEPRESSÂO TÊM CURA?

É possível ser feliz e é possível voltar a ter energia, a trabalhar com um sorriso, a ter paciência, alegria, a viver bem! Se sente que um familiar ou amigo pode não estar bem, se você próprio se sente “diferente” e não percebe porquê, procure ajuda. A depressão não é um bicho, mas precisa de ser tratado (e existem várias formas de tratamento).  Não tenha medo de procurar o seu médico de família, de falar com um psiquiatra, com um psicologo, de iniciar um plano de exercício físico, de fazer meditação.. o que resultar é válido! Seja feliz! Fique atento!

Vamos combater o Elefante (ou o cão) na sala?

O Dr. Olegário tem aqui um par de palavras que é muito feliz e que explica a depressão. 🙂

O Coelho – Actividade CPPADERNE

No seguimento de uma actividade realizada a 02 de Novembro, para os meninos da Creche Gente Miúda (Algarve), fui lá conversar sobre o coelhinho de estimação e sobre algumas das suas necessidades básicas. Falamos sobre o peso, alimentação, escovagem, cuidado ao manusear, caricias, a personalidade dos coelhos, corte das unhas e dentes. Foi muito divertido e fica aqui o documento que criei para a actividade em questão.

coelho Cebolinha/Cebolada

Obrigada a toda a equipa da Sala dos Sonhos (2-3 anos) e à Sra.Directora Patrícia Beira Grande, por esta manhã tão divertida, ao "sr" Google, dono de algumas das imagens e a todos os autores das outras que não sendo minhas, não consigo atribuir autoria. Por favor se souberem, terei todo o gosto em atribuir autorias.

Compêndio de Vídeos sobre práticas básicas de suporte veterinário/enfermagem

 TODOS OS VÍDEOS AQUI APRESENTADOS FORAM REALIZADOS POR PROFISSIONAIS E NÃO DEVEM SER REPLICADOS SEM A PRESENÇA E ACOMPANHAMENTO DE UM MÉDICO OU ENFERMEIRO VETERINÁRIO EXPERIENTE. QUE É O MESMO QUE DIZER, NÃO FAÇAM ISTO EM CASA PORQUE PODE MATAR OS ANIMAIS!

O blog Gata Preta declara-se alheio a todas as consequências de qualquer tentativa de utilização destas técnicas fora ou dentro do ambiente clínico.

***

Colocação de catéter e garrote – A colocação de cateter por intra venosa (IV) é uma prática comum em toda a medicina,  no entanto exige alguma experiência e muito cuidado para não colapsar veias.

Extracção de Sangue pela Jugular – Pode parecer uma técnica “agressiva”, mas em muitos casos é mais rápida, eficaz e o animal não sofre. O humano durante este tipo de procedimento tem consciência do que se passa e fica naturalmente imóvel para que lhe seja extraído o sangue necessário, já os animais não costumam facilitar tanto o procedimento… ainda assim o sujeito deste vídeo é muito calmo e simpático, e as profissionais mostram também bastante segurança e calma.

Destartarização de Cães/Gatos – O grande problema do tártaro nos cães e nos gatos é o facto de para além de deteriorar os dentes do animal, posteriormente iniciar o seu ataque à gengiva (gum). Isto fragiliza o dente, cria inflamações na gengiva e é um sofrimento que poderá levar a perda de dentes ou remoção cirurgica. A destartarização dos dentes de um animal é um processo breve, não invasivo, acompanhado de uma ligeira sedação e que não exige cuidados no pós.

 

 

Conversas de gatos

 

“Conversas de gatos…
Bernardo, o que queres ser quando fores grande?
Quero ser um gatinho mimado e feliz como tu Lydia 🙂

Partilhem, o Bernardo continua à espera de uma família para a vida ❤A Lydia já a encontrou.”

 

Texto: Mariana Lopes (FAT; FAD; Voluntária e activista pelos direitos dos animais. )

Bicharada de A-Z (Parte 0)

Bom dia, boa tarde, boa noite!!!

Para quem me conhece, não é novidade que sou maluca por bicharada. Dizia uma amiga de longa data que este redireccionar da minha carreira: “Faz todo o sentido!”

Pois é, assim sendo hoje vou começar uma série de posts sobre um tema bastante interessante, que poderá ser bom para mim (no sentido de reforçar conhecimentos) mas também para o leitor (que tem ou não um animal de estimação, mas que não se livra das doenças que podem ser transmitidas entre espécies).

As Zoonoses de grosso modo, são doenças que podem ser transmitidas do homem para os animais e dos animais para o homem.

Essas doenças são desencadeadas por bactérias, fungos, vírus, parasitas (os meus favoritos) entre outros. No GERAL são doenças pouco preocupantes para o ser humano com o sistema imunitário saudável, no entanto isso não invalida que a prevenção e os devidos cuidados de higiene sejam uma necessidade. Não nos podemos esquecer de que vivemos em sociedade, coabitando com crianças, idosos, pessoas fragilizadas e animais.

Posto isto, fica aqui a minha introdução ao tema. Nos próximos dias publicarei posts com informação genérica sobre Zoonoses e doenças que são preocupantes para os nossos pets. Não sendo médica veterinária, em caso de algum erro, por favor, sintam-se confortáveis para me chamar a atenção. Este é um espaço sempre aberto à melhoria.

“Deixa lá, não faz mal!”. Faz pois!

“Gravidez não é doença”, da mesma forma que não ir votar é normal, trabalhar a mais sem receber mais e não reclamar é normal ou esperar um serviço público ineficiente, seja algo corriqueiro. Gravidez não é doença, e muitas vezes com a desculpa de não ser doença as grávidas abrem mão dos seus direitos, tentam fazer mais do que os outros só para mostrar que “gravidez não é doença”, ignorando, com o típico “deixa lá, não faz mal!”. Faz sim! Claro que faz!

Existem lugares prioritários, existem direitos laborais, existem regalias ao nível da saúde e do bem estar materno e da criança que não deviam ser ignorados. De facto gravidez não é doença, não é motivo para “frescura” como dizem os irmãos da terra do sol. E há muita frescura, todos conhecemos situações de “frescura”, nas mais diversas situações (mas de fora é sempre mais fácil julgar). Gravidez não é doença, no entanto, “parvo” é quem não luta pelos seus direitos e deixa que estes sejam ignorados, fechando assim a porta a quem o segue, contribuindo para que esses mesmos direitos desapareçam. Todos temos deveres, cada vez mais, o que nos diz respeito e o que não diz, isso e mais qualquer coisinha, em prol quase sempre de um argumento abstracto. É delicioso na sua ironia. Nem para os nossos somos bons, e que raio de exemplo maravilhoso estamos a dar?

Tens direitos e não os usas? “Deixa lá, não faz mal!”. Faz pois!

________

Este artigo tem 2 anos e estava “escondido” nos rascunhos do blog… vejam só!

Quando desconfiar – Procura de trabalho

Sempre ouvi dizer, desde miúda que quem não confia, não é de confiança. Os últimos anos levaram-me, com uma série de chapadas em cheio na honestidade, a desenvolver outra teoria… “Quem não abre o jogo, não é de confiança.”

Muitas vezes ouvimos “aquela voz” no fundo das nossas cabeças e ignoramos. A vontade de trabalhar e de ser activo é tão grande, que ignoramos… Eis algumas experiências que me levam a acreditar que temos de facto de ouvir a nossa consciência e abrir os olhos para o óbvio.

1 – O anúncio espectacular de emprego continua a ser renovado no site de empregos (manda currículo, mas desconfia). Se é assim tão bom porque é que ainda está lá, a ser renovado com datas diferentes, ao longo de uma, duas, três semanas… Qualquer técnico de recursos humanos sabe que publicar um anúncio é sinónimo de ter o email cheio de cvs em horas.

2- Durante a entrevista recusam a responder a perguntas básicas sobre as condições laborais. Perguntas como “que tipo de contrato de trabalho irei assinar”, “qual o vencimento”, “quais as regalias com a posição”, “horário fixo ou rotativo”.

3- Começaste a trabalhar, já estás a fazer uma semana de casa e contrato, nem vê-lo. Desconfia.

4- Os teus colegas fazem piadas do género “mais uma”. “Será que esta aguenta?” Não é bom sinal.

5- As referências online sobre a empresa não são as mais positivas. Lês coisas sobre o espaço, sobre os colaboradores, sobre situações específicas e constatas que afinal…

6- Entre o acordado na entrevista e o dia em que te oferecem o emprego, as regras do jogo mudam. Por exemplo, o vencimento é X, limpo… (Ah mas afinal esse X inclui todos os subsídios possíveis e imaginários. E só ouviste falar disso agora. )

7 – Pergunta referências. Pergunta aos teus amigos. Pergunta aos vizinhos. Pergunta a quem conhece o negócio. Pede feedback a clientes. Eles sabem mais do que tu e podes surpreender-te com revelações muito boas… ou das outras.

8- O anúncio de emprego tem mais erros do que um ditado escrito por um miúdo de 6 anos. Falta de brio também não é a melhor carta de apresentação.

Sinto-me confortável porque sei que aí fora existem muitas, imensas, a maioria, felizmente, de entidades patronais que RESPEITAM e sabem que as pessoas não são números. “Números infelizes” não são produtivos, não dão lucro, não se sentem confiantes para dar o litro e mais cedo ou mais tarde acabam por ficar doentes. Nunca antes se viu uma tão grande taxa de doença relacionada com actividade laboral em Portugal. E ninguém pára para pensar.

Um patrão a sério discute números, reconhece o valor do colaborador e agarra com unhas e dentes os bons! Estima, incentiva, reconhece as horas a mais, reconhece um trabalho bem feito, agradece… Muitas vezes este tipo de energia não é perceptível numa entrevista, mas saber onde queremos ir é meio caminho andado para achar o “tal” trabalho. E convínhamos, trabalhar feliz é bom para ambos os lados!

caminho.jpg