Porquê Capturar – Esterilizar – Devolver Gatos?

O programa CED é defendido principalmente por associações que promovem o bem-estar animal e se deparam com problemas como colónias de gatos  de populações descontroladas em meio urbano ou limítrofe.

Este é um problema real.

                     COMO É POSSÍVEL???

É possível sim, se uma colónia não for controlada! Os animais não sofrem, são capturados e tratados com os maiores cuidados possíveis e imaginários, tanto para minimizar o stress, como para em pós-operatório recuperarem perfeitamente para poderem voltar ao seu habitat regular.

Capturar-Esterilizar-Devolver é um método humano e eficaz de controlo de colónias de gatos e de redução da população felina silvestre. O processo envolve a captura dos gatos de uma colónia, a sua esterilização, um pequeno corte na orelha esquerda para fins de identificação, desparasitação e, por fim, a devolução do animal de volta ao seu território de origem. Sempre que possível, os animais adultos meigos e e as crias que ainda estejam em idade de sociabilização são retirados das colónias e encaminhados para adopção. Um prestador de cuidados fornece comida e abrigo aos gatos devolvidos, monitoriza a colónia à procura de elementos novos e faz a mediação dos conflitos que possam surgir entre os gatos e a comunidade envolvente.

Mais em Animais de Rua

 

Anúncios

Animais: Seres pensantes ou decisores por instinto

INSIDE THE MINDS OF ANIMALS – O que pensam os animais e nós sobre eles? Eis um TedEx curioso que fala sobre as diferenças de perspectiva entre as espécies e serve como mote para pararmos e meditarmos sobre a forma como encaramos o “outro” em particular, espécies diferentes. Sabemos assim tanto? Estaremos assim tão distantes destes?

O Coelho – Actividade CPPADERNE

No seguimento de uma actividade realizada a 02 de Novembro, para os meninos da Creche Gente Miúda (Algarve), fui lá conversar sobre o coelhinho de estimação e sobre algumas das suas necessidades básicas. Falamos sobre o peso, alimentação, escovagem, cuidado ao manusear, caricias, a personalidade dos coelhos, corte das unhas e dentes. Foi muito divertido e fica aqui o documento que criei para a actividade em questão.

coelho Cebolinha/Cebolada

Obrigada a toda a equipa da Sala dos Sonhos (2-3 anos) e à Sra.Directora Patrícia Beira Grande, por esta manhã tão divertida, ao "sr" Google, dono de algumas das imagens e a todos os autores das outras que não sendo minhas, não consigo atribuir autoria. Por favor se souberem, terei todo o gosto em atribuir autorias.

Bicharada de A-Z (Parte 5) Flebótomos & Giardia

— F —

Flebótomo (“Espécie de mosquito” vector de várias doenças, inclusive algumas zoonoses) 

A Leishmaniose canina é uma zoonose de grande importância e de impacto na saúde pública. Todos os anos registam-se em Portugal entre 10 a 15 casos de Leishmaniose em Humanos, especialmente nas pessoas imunocomprometidas e crianças. A doença atinge todas as raças de cães, em todas as idades, e com uma elevada taxa de morbilidade e mortalidade. [1]

Os flebótomos são insectos vectores de vários agentes patogénicos, dos quais se destacam os protozoários do Género Leishmania. Em Portugal, as leishmanioses, canina e humana, são causadas por L. infantum, sendo o cão o principal reservatório e Phlebotomus perniciosus e P. ariasi os vectores comprovados do parasita. São conhecidos três focos de doença, mas casos de leishmaniose canina têm sido reportados em outras regiões nas quais se desconhecem as espécies flebotomínicas presentes e respectivas taxas de infecção.[2]

Origem: Bayer
Origem: Bayer

Mais informações AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

Referências: [1] Zoonoses transmitidas por insectos vectores

[2] Estudo dos flebótomos (Diptera, Phlebotominae), vectores de Leishmania sp, por Sofia Isabel Martins Branco.

— G —

Giardia /Giardiase / Giardiose

Giárdia (Giardia lamblia) causa diarreia e dificuldades na absorção intestinal, por aderir e diminuir as microvilosidades do intestino, dificultando a absorção de nutrientes; e por possuir proteases que agem em glicoproteína, levando lesões à mucosa, desencadeando também uma resposta inflamatória.

A giardiose é uma doença que pode surgir no humano ou nos mamiferos e que é contraída através do consumo de alimentos ou água contaminados. A melhor atitude a ter para com este tipo de parasitas é a prevenção e desparasitação tanto de humanos como de animais de estimação. Cuide da sua alimentação de forma cuidada e higiénica, o mesmo para os seus animais. Caso desconfie de alguma contaminação do seu animal, fale com o seu veterinário, e caso exista a possibilidade de também ter sido contaminado, fale com o seu médico.

Mais informação sobre a Giadiose AQUIAQUI e AQUI. 😉

Compêndio de Vídeos sobre práticas básicas de suporte veterinário/enfermagem

 TODOS OS VÍDEOS AQUI APRESENTADOS FORAM REALIZADOS POR PROFISSIONAIS E NÃO DEVEM SER REPLICADOS SEM A PRESENÇA E ACOMPANHAMENTO DE UM MÉDICO OU ENFERMEIRO VETERINÁRIO EXPERIENTE. QUE É O MESMO QUE DIZER, NÃO FAÇAM ISTO EM CASA PORQUE PODE MATAR OS ANIMAIS!

O blog Gata Preta declara-se alheio a todas as consequências de qualquer tentativa de utilização destas técnicas fora ou dentro do ambiente clínico.

***

Colocação de catéter e garrote – A colocação de cateter por intra venosa (IV) é uma prática comum em toda a medicina,  no entanto exige alguma experiência e muito cuidado para não colapsar veias.

Extracção de Sangue pela Jugular – Pode parecer uma técnica “agressiva”, mas em muitos casos é mais rápida, eficaz e o animal não sofre. O humano durante este tipo de procedimento tem consciência do que se passa e fica naturalmente imóvel para que lhe seja extraído o sangue necessário, já os animais não costumam facilitar tanto o procedimento… ainda assim o sujeito deste vídeo é muito calmo e simpático, e as profissionais mostram também bastante segurança e calma.

Destartarização de Cães/Gatos – O grande problema do tártaro nos cães e nos gatos é o facto de para além de deteriorar os dentes do animal, posteriormente iniciar o seu ataque à gengiva (gum). Isto fragiliza o dente, cria inflamações na gengiva e é um sofrimento que poderá levar a perda de dentes ou remoção cirurgica. A destartarização dos dentes de um animal é um processo breve, não invasivo, acompanhado de uma ligeira sedação e que não exige cuidados no pós.

 

 

O que é a Parvovirose?

Sabe quando tem o seu cachorrinho pequeno e só quer dar uma volta com ele pelo bairro e pelo jardim e mostrar aos amigos como o seu “novo” quatro patas vai bem pela trela? Sabe o “chato” do veterinário que passa a vida a dizer para não sair com o cão para sítios onde possam andar outros cães? Sabe quando o seu veterinário insiste em que mantenha o protocolo vacinal do seu cão a tempo e horas? Não é só para ganhar dinheiro e não é só para ser chato.

Infelizmente existem várias doenças e vírus que podem facilmente atingir os pequenos cães, se estes não forem cuidados devidamente. Um cachorro após o desmame, na altura em que deve levar as primeiras vacinas, começa a perder a força imunitária que a mãe lhe transmitiu. Assim sendo as vacinas servem para que o organismo deste pequeno ser, tenha mais estímulo e se saiba defender. Se deixar o seu cãozinho andar na rua, o mais provável é que este cheire, lamba, pise os dejectos de outro animal e apanhe alguma doença… e nem todos os finais desta história são felizes.

O parvovirus é um dos maus da fita desta história. Aparece subitamente, causa vómitos e diarreia, debilitando o animal em poucos dias e pode ainda mais depressa levar à morte.

Diz o Site Arca de Noé que ” os vómitos e a diarreia, podem ser bastante severos, embora os cães também possam exibir anorexia, letargia e febre. Geralmente os vómitos são o primeiro sinal e a diarreia pode não estar presente no quadro clínico inicial. A parvovirose pode afectar cães de todas as idades, embora seja mais comum em cães com menos de um ano de idade. Os cachorros com menos de cinco meses são os mais severamente afectados e os mais difíceis de tratar.”

Não há tratamento para matar o vírus após a infecção. A acção do vírus no organismo do animal não é causar directamente a morte. Em vez disso, ele provoca uma destruição do epitélio intestinal resultando numa desidratação severa, desequilíbrios electrolíticos e infecção da corrente sanguínea por bactérias intestinais. Assim, o tratamento de um cachorro com parvovirose passa por um tratamento de suporte, em que se tenta corrigir a desidratação e desequilíbrios electrolíticos, mediante a administração de fluidos intravenosos. A este tratamento de suporte adicionam-se os antibióticos, para tentar evitar a septicémia (infecção do sangue), e os anti-eméticos para controlar os vómitos.”

In Arca de Noé

A doença não é contagiosa para humanos, mas é altamente contagiosa entre cães com o sistema imunitário frágil, por isso, poupe o seu cachorrinho e enquanto o veterinário não der o “OK”, transporte-o ao colo quando o quiser levar a apanhar ar ou deixe-o em casa, se não tiver quintal próprio.

Para quem já passou pelo infeliz episódio de ter um cão com parvovirose, sabe que o ideal é utilizar lixívia ou um detergente que elimine virus, para higienizar taças, espaços, sapatos, camas …tudo o que entrou em contacto com o animal, visto que o virus é altamente resistente e  contagioso.

Espero com isto ter ajudado de alguma forma… Já sabe, vacine e coloque o chip no seu cão. Ele só é seu depois de chipado, até lá, pode ser vítima do amigo do alheio e ficar sem o seu amigo de quatro patas.

Pense nisso. Saúde e identificação. Os patudos agradecem.

 

 

Bicharada de A-Z (Parte 4 – Erliquiose)

 — E —

Erliquiose é ums doença parasitária que afecta maioritariamente os canídeos. O prozoário microscópico, a Ehrlichia, transmitido pela carraça do cão, afecta os glóbulos brancos. Esta doença pode também ser transmitida aos humanos, através da picada da carraça. Daí ser grande a necessidade de controlar estes parasitas em animais domésticos.

A mais comum é a Erliquiose monocítica canina – causada pela Ehrlichia canis .

 

Literatura online: