Publicado em OUTROS

O poder da felicidade no local de trabalho – A parabola da formiga (resumo)

Vamos adoptar outra perspectiva, pode ser?

Neste artigo “Parábola do despedimento da formiga desmotivada“, fala-se da história de uma formiga que viu o seu ambiente de trabalho a mudar, a pressão a aumentar e deixou de ser feliz no seu trabalho.  O texto supostamente de autor anónimo, refere um conjunto de acções que visaram “aumentar” a produtividade da formiga, mas que acabaram por sufocar o trabalho da mesma.

Existem sítios onde o patrão delega o seu trabalho nos profissionais mais competentes, porque sabe que para a sua sanidade mental e vida pessoal, esse é um ponto crucial! Ninguém pode, nem consegue, nem deve controlar tudo a toda a hora.

O que vejo quando olho em redor actualmente, é assustador! Empresas inteiras que não sabem o que fazer ao nível dos recursos humanos, queimam trabalhadores, frustram expectativas e qualidade de trabalho, não mostram muitas vezes a intenção de facilitar a vida pessoal de cada um, e perdem dezenas, centenas de funcionários com um excelente qualidade. E sabem que mais, as formigas saem do local e irão encontrar algo melhor, um sítio para serem felizes e para se sentirem realizadas. Cada vez mais formigas procuram fazer algo que amam…

ps. Obrigada à empresa que me deixa exercer a minha actividade de voluntariado (das coisas mais satisfatórias e gratificantes que fiz até hoje) – Ser Auxiliar de Veterinária – e que me ajudam a abrir horizontes e a pensar que poderá haver  um futuro risonho à espera. Obrigada.

Anúncios

Autor:

Eu sou a Vera e tive uma grande amiga que entretanto foi para o céu dos gatos... A ela seguiu-se a Siamesa... agora tenho um casal de pretos e uma tricolor louca que devora decorações de natal e fitas. Como sou criativa, a minha pegada digital começou em finais dos anos 90, ainda o upload de material era um terror e o "Terravista" um Sucesso. Gosto de novas tecnologias em particular de redes sociais. Sou caótica, desconheço o conceito de timming. Não como caracóis, carne e/ou favas. Não faço despedidas.