Publicado em As Causas

Sobre a I. – Sempre sobre ela.

 

10407890_10153339700357516_9193090431994266826_n

Tenho de admitir que Eduardo Sá nunca foi uma pessoa que me chamasse a atenção, até agora.

 

O jardim de infância serve para brincar. Porque quem não brinca fica fechado (e desconfiado) no seu mundo e, em vez de ficar amigo da diferença (sem a qual nunca se cresce) fica xenófobo e arrogante, mais agarrado ao passado do que amigo do futuro.

Por Eduardo Sá, Psicologo , AQUI

 

Sofro por antecipação, por saber que apesar de ser a minha filha e de os assuntos sobre ela dependerem apenas das decisões que eu e o pai tomamos (EM CONJUNTO, SÓ, OS DOIS), vai haver sempre quem queira impor e forçar decisões que não lhes competem.

Hoje li o texto de uma amiga sobre os julgamentos, as decisões e a mania que as pessoas têm de opinar e decidir sobre a vida dos outros.

Vamos cometer certamente muitos erros, mas vão ser os nossos erros, vão ser aqueles que vão fazer de nós bons ou maus pais. E de uma coisa tenho a certeza, sobre a saúde, educação, alimentação, valores da minha filha, não abro mão. Espero não ter de repetir ou justificar as nossas decisões, porque se isso acontecer não vai acontecer de forma vã, tão pouco cordial. Já perdi bastante da minha vida e da minha liberdade pessoal dizendo que sim a tudo e permitindo-me perder terreno sobre as minhas decisões (que são minhas e não de domínio público).

Conto que cada um faça O SEU papel e não o papel dos pais.

 

Será uma boa ideia os interessados decidirem ler todo o texto.AQUI.

 

Anúncios

Autor:

Eu sou a Vera e tive uma grande amiga que entretanto foi para o céu dos gatos... A ela seguiu-se a Siamesa... agora tenho um casal de pretos e uma tricolor louca que devora decorações de natal e fitas. Como sou criativa, a minha pegada digital começou em finais dos anos 90, ainda o upload de material era um terror e o "Terravista" um Sucesso. Gosto de novas tecnologias em particular de redes sociais. Sou caótica, desconheço o conceito de timming. Não como caracóis, carne e/ou favas. Não faço despedidas.