Trabalhar!

Às vezes gostava que se tivessem sentado ao meu lado e me tivessem dito que ia ser assim. Às tantas até o fizeram, mas como sempre acreditei no ditado popular que diz que “se as opiniões fossem boas não se davam, vendiam-se”, devo tê-las ignorado todas.

Ainda me saturo com opiniões. Detesto precisar de soluções e de acções práticas e receber por tabela dicas, truques e “palavras mágicas” para salvar a minha vida. Não estou às portas da morte. Estou aborrecida, tão aborrecida que em alguns momentos duvido de mim. Evito a televisão. Já cheguei à conclusão que se desligar a televisão pouco consideravelmente na farmácia.

Forço-me a rir e a acreditar que de hoje para amanhã as coisas vão mudar e que as minhas palavras vão chegar a bom porto.

No entanto, o que me chateia mais, nem são os imensos currículos enviados e o bater às portas consecutivamente… o que me aborrece é a falta de capacidade de alguns em dizer não, ou o gosto por enrolar. Não é sério prometer o que quer que seja a uma pessoa desempregada, criar a expectativa, deixar em suspenso e continuar a alimentar essa expectativa ao longo de meses. Seriedade é ser como o meu ultimo empregador que falou em possibilidades, mas não garantiu nada (nem o pode fazer nos dias que correm). Senhores, tende paciência e respeito pela inteligência das pessoas.

Tenho dormido… dormido demais. Incomoda-me não ter uma rotina e incomoda-me não estar a trabalhar.

Já viram! Nem estou a falar de áreas nem de empregos mágicos! Já nem estou a ponderar trabalhar por paixão! Neste país praticamente só os empreendedores é que têm direito de sonhar trabalhar por amor e paixão… todos os outros têm contas para pagar. Sejamos práticos, é trabalho, não são férias, e eu não preciso de dizer que “quero este lugar porque a vossa empresa é a melhor do mundo!”… mais do que ninguém vocês sabem o que é e o que faz a vossa empresa… Eu quero um lugar para poder trabalhar, para receber ordens, cumprir tarefas, eventualmente e quando me for dada liberdade para isso, sugerir melhorias, alterações, implementar ideias e vibrar com o sucesso do nosso trabalho! É isto que eu quero. Quero trabalhar! Eu sou feliz a trabalhar! Sou feliz a ver o nome da minha empresa na imprensa, na internet, a ser bem falada, a chamar clientes, a receber propostas… Eu sou feliz a comunicar nas redes sociais, a aprender coisas novas entre cliques, a ter alguma liberdade para gerir o meu trabalho, a cumprir metas…

Há dois anos quando comecei a trabalhar e me apercebi das dificuldades e das responsabilidades, senti na pele o que a boa e a “aceitável” gestão podem fazer… e a necessidade de trabalhar.

Bolas, não tenho paciência para vida de café, não nasci para ser inútil…

Tenho 27anos, vivo em Braga, estudo(mestrado), procuro trabalho, ganho uns trocos a trabalhar a partir de casa, faço voluntariado pela ABRA. Sou técnica de comunicação, marketing, gestora de conteúdos, redes sociais, sites, blogues… escrevo. Também sou capaz de ser uma excelente assistente (apesar de não ter experimentado). Sou pragmática, de fácil trato. Tenho muito a aprender, mas já aprendi alguma coisa no caminho feito até aqui. 

 

 

Advertisements