EngageBook: tocar, ler e brincar :: CECS – UMinho

EngageBook: tocar, ler e brincar
Equipa: Nelson Zagalo (coordenador), Ido Iurgel, Eduarda Coquet, Pedro Branco e Ana Lúcia Pinto.
Financiamento concedido: 78.812,00 €.

Resumo:
A imaginação, a curiosidade e a criatividade estão escondidas atrás de um virar de página. Um bom livro tem a imensa capacidade de estimular a curiosidade infantil, alimentar a sua imaginação e promover a sua criatividade. Desde tenra idade as crianças, se acompanhadas, crescem para os prazeres da leitura, o que lhes proporciona uma base consistente para a sua educação. Existem, no entanto, outras actividades que são mais imediatas e gratificantes a curto prazo, nomeadamente, a televisão, a internet e os jogos de computador. Os livros tendem a perder terreno quando comparados com os meios anteriores, no que diz respeito à atenção da
criança. Este projecto visa dar ao livro argumentos que se possam igualar aos dos jogos, sem alterar a sua essência. Nos últimos anos, os livros comerciais dedicados ao público infantil têm crescido em interactividade. Empresas como a LeapFrog fornecem livros com áudio integrado que permitem ouvir sons, verbalizações em diversas línguas e músicas, enquanto as crianças os manuseiam; surgiram também dispositivos computacionais – leitores de e-books, tablets e smartphones – que permitem o acesso e a partilha de conteúdos digitais interactivos e perspectivam mudanças significativas, a curto prazo, em experiências humanas tais como a leitura, o acesso a conteúdos digitais e a partilha de informação. O transporte de centenas de livros num dispositivo que cabe num espaço físico diminuto; a desmaterialização de interfaces físicos; e a facilidade de acesso e troca de informação em contextos informais, através de redes sem fios, são realidades da experiência humana contemporânea. No contexto académico surgiram múltiplos livros aumentados, herdeiros do MagicBook (Billinghurst, Kato, & Poupyrev, 2001): tangíveis, com realidade aumentada, sensores, RFIDs, entre outras possibilidades. Apesar do interesse por estes artefactos, nestes últimos 10 anos, suscitado pelas possibilidades de evolução que o livro poderá via a sofrer, diversas questões estão ainda por resolver ou por abordar.
Como ultrapassar o desinteresse que surge após o fascínio inicial produzido pelos livros aumentados (Shaer & Hornecker, 2010)?
Que possibilidades narrativas têm estes dispositivos e qual o seu impacto na literacia infantil. Que contribuição poderá ser dada para contextos reais, dado que até agora esta tem sido escassa (Garzotto, Paolini, & Sabiescu, 2010).
Com este projecto propomos um livro híbrido, dirigido a crianças entre os 6 e 8 anos e apresentamos como objectivos principais o desenvolvimento abrangente do conceito de livro aumentado que permita uma experiência mais envolvente através da exploração do seu potencial narrativo e lúdico. Este livro híbrido é constituído por páginas de papel físicas e um tablet. Manuseia-se como um livro tradicional, onde as páginas com sensores incorporados permitem a interacção da criança com as personagens e textos que são destacáveis das páginas. Os personagens interagem com outros personagens, em determinadas áreas do livro, havendo um papel pré-definido que pode ser alterado pelas crianças, permitindo criar múltiplas variações sobre a narrativa inicial. As acções que se realizam com as figuras reflectem-se sobre a animação e a interacção que terá lugar no tablet ao qual o livro está conectado. O hardware é constituído por um sistema electrónico que conecta as páginas do livro ao tablet e por um software que comunica os valores dos sensores das páginas físicas ao tablet, permitindo visualizar a animação que a criança realiza ao manusear os livros e ao brincar com os personagens.
O software desenvolvido também permitirá às crianças personalizar a aparência das personagens, o seu comportamento e os ambientes; e partilhar histórias com outros leitores, num ambiente Web 2.0 (Facebook, blogs, YouTube entre outros). As narrativas resultantes serão, por isso, uma combinação de ingredientes da narrativa base proposta, das escolhas e interacções da criança e da partilha de criações e experiências entre os diversos utilizadores. O projecto terá a contribuição, durante a sua construção e avaliação, do feedback das crianças envolvidas no estudo. Pretende-se também estudar possibilidades de combinação de métodos
de avaliação que permitam avaliar, quer os modelos de narrativas interactivas construídos, quer a utilização deste livro híbrido. O processo de avaliação considerará métodos de avaliação – Observação, Co-Discovery, Drawing Intervention e entrevistas – que permitam compreender a relação das crianças com o livro tangível e com a respectiva narrativa; e escalas Thumbs-Up Scale, na avaliação da experiência da criança, na utilização da interface digital da narrativa.

dcc.

Anúncios