Publicado em OUTROS

saudade que aperta

Em determinadas alturas do ano, o caos está em todo o lado, não há modo de conseguir ordenar o que quer que seja. A juntar a falta de espaço, a roupa, os adereços, as recordações, os livros, apontamentos, folhas, canetas, tigelas… Ela tinha sempre várias tigelas espalhadas pela casa. Na casa em si, no apartamento, nos cantinhos onde gostava de estar. E eu sempre gostei de lhe deixar o espaço em condições para que ela se sentisse bem.

Hoje guardei as últimas tigelas dela. Não quero falar, não há nada a falar. Sinto a falta dela. Não quero outro gato, sinto a falta da Pantera.

Anúncios

Autor:

Eu sou a Vera e tive uma grande amiga que entretanto foi para o céu dos gatos...agora tenho um casal de pretos e uma siamesa... e mais um preto e mais duas "tartaruga"... Como sou criativa, o meu primogénito no mundo dos blogues, nascido no tempo da minha pequena, chama-se Gata Preta. Gosto de novas tecnologias em particular de redes sociais. Sou caótica, desconheço o conceito de timming. Não como caracóis, carne e/ou favas.Não faço despedidas.