RIP Pantera

Perguntei-me muitas vezes o que seria feito dos donos de todos aqueles animais abandonados á beira da estrada. Os irresponsáveis. O que seria feito? Qual a história para o fim triste daquele quatro patas. Abandonado, perdido, esfomeado, votado a sua sorte? Os irresponsáveis dos donos. Nunca os vi como pessoas que podiam amar os bichanos ou os cães. Nunca pensei nessa perspectiva. Afinal de contas quem era o irresponsável?! Falhei e não venho procurar conforto. Hoje confirmou-se. Uma parte da minha história, uma das responsáveis por muitos sorrisos, companhia, lições de personalidade, amor, deixou-nos. A menina que deu nome a dois blogues, acompanhou momentos felizes e descalabros sem par, teve um fim injusto. Pensei em acabar com o blog. Pensei em esconder todas as cartas, pins, malas, carteiras, símbolos na capa, fotografias… como se isso valesse alguma coisa. A Pantera foi uma lição muito maior que muita gente. Não sei o que dizer mais. Tudo soa a lugar comum e a ridículo porque só quem está aqui e viu é que pode imaginar.

Como dizia o Gajo, “era e vai ser sempre a tua referência… foi amada, é o que importa!”

A Pantera tinha 2 anos e 5 meses e foi uma das melhores coisas que me aconteceu nos últimos anos. Foi amada e marcou. Este espaço vai ser sempre a prova disso.

vi

Advertisements