Publicado em A Gata Preta, Idade dos Porquês, Texto

Verdes memórias verdes

Tenho memórias da minha infância sim senhor. Durante muitos anos pensei que não passavam de sonhos, ideias, pensamentos soltos, mas há pouco tempo comecei a confrontar os meus pais com episódios concretos e reparei o gelo nos seus rostos. Afinal parece que não foram sonhos. Não imaginei.

Uma das minhas primeiras memórias, insólito, é com um mobil que tinha na minha caminha em muito tenra idade. Abelhas. Abelhas penduradas numa casinha amarelada de telhado vermelho. Minto, vespas ou “abespras” como diz o meu avô.

Lembro-me das mãos. Não me lembro do rosto mas pelo sentimento de calma penso que seria a minha mãe. A última altura em que dormi naquele berço, tinha a volta de 4 anos.

Isto tudo apenas para concluir que é idiota quem pensa que as crianças não percebem e não gravam nas suas tenras memórias as mais estranhas e improváveis recordações.

Anúncios

Autor:

Eu sou a Vera e tive uma grande amiga que entretanto foi para o céu dos gatos... A ela seguiu-se a Siamesa... agora tenho um casal de pretos e uma tricolor louca que devora decorações de natal e fitas. Como sou criativa, a minha pegada digital começou em finais dos anos 90, ainda o upload de material era um terror e o "Terravista" um Sucesso. Gosto de novas tecnologias em particular de redes sociais. Sou caótica, desconheço o conceito de timming. Não como caracóis, carne e/ou favas. Não faço despedidas.

2 opiniões sobre “Verdes memórias verdes

Os comentários estão fechados.