Coisas que me deixam doida

– Pessoas que dizem engiva, frederico (frigorifico), licone (silicone)… O meu nível de stress piora quando as pessoas já pronunciaram as palavras em condições e hoje só não o fazem por preguiça.

– Conversas ao telefone: “Estou aqui mesmo a chegar à praia dos olhos da Oura”. Minha amiga, ou é carne, ou é peixe. Ou vai à praia nos Olhos de Água ou à Praia da Oura. Na dúvida opte pela Falésia, sempre é só um nome e tem espaço suficiente para não levar com sedimentos de rocha na moleirinha, não queremos fazer mais estragos!

– Conversas ao telefone sobre os custos no dentista, médico, farmácia, suficientemente audíveis para se perceber o que se passa a 200 metros. “Gastei 30€ mas tinha de ser, que já não podia”, “Só na placa foram 400€”… o mesmo para a conversa sobre quem é mais doente, ou sobre quem tem os melhores filhos ou mais estudiosos…

– Tudo o que seja mexer na boca, escarafunchar os dentes, enfiar dedos na dita cavidade e escarafunchar o sarro ou o resto do almoço como se fossem encontrar o último tesouro pirata da história dos sete mares.

– Aquele asno, proprietária do número de telefone para onde infelizmente “liguei” (alguém cá em casa ligou) por engano. Peço desculpa, foi engano, e em situação normal, a história ficava por aí. Mas não é que depois disso a alma me volta a ligar e me insulta, acabando por dizer:Alhos e bugalhos, “Não é de albufeira, é do cartaxo, das caldas…”, “Olhe lá a brincadeira que eu tenho idade para ser sua mãe!”.

Hmm.. novidade: O Cartaxo agora é nas Caldas…

MINHA AMIGA! PODE TER A IDADE MAS O ADN NÃO PODIA ESTAR MAIS LONGE, JÁ QUE COMO É ÓBVIO NÃO SOU ASSIM TÃO MAL FORMADA PARA LIGAR ÁS PESSOAS A MANDA-LAS PARA O C…

… bem, já desabafei.

– Na secretaria de uma dada universidade olharem para mim num dia e para além do tratamento por “TU”, assumirem que sou aluna. No dia seguinte, perguntarem se vou prestar provas pelos maiores de 23. Sem comentários.

Anúncios