Há coisas que nunca mudam.

    

Ao fundo da praça, sobe uma nuvem cinza, cheira a castanhas e vão nascendo enfeites e montras coloridas. Aterro na mesma esplanada do costume, aquelas onde nunca te encontro. É mais sossegada. Mais calma. As vezes não preciso de surpresas. Vejo com agrado as mesmas caras familiares que passam. Vindos da escola, do café, de uma loja ou de um sítio qualquer. Não interessa pois não?

Hmm, está tanto frio e só consigo pensar nesse disparate todo das poucas palavras e dos inúmeros silêncios que trocamos. Não interessa, pois não? Estou de abalada… pelo menos, penso que estou de abalada e passeio-me pelas mesmas ruas de sempre com um sorriso de alívio mas com a alma perturbada pelos longos silêncios… e agora?

Ao fundo passa a florista e a sua cadelinha de andar saltitante, cómico.

“Boa Tarde!”

Chega a minha amiga. Conversamos. Os mesmos assuntos sérios, os mesmos disparates de sempre, as mesmas perguntas sem resposta e sem querer pensar nisso, penso que vou sentir saudades destas tardes. Enrolo ao pescoço o cachecol roxo que a outra peça do “trio-das-odemiras” me ofereceu. Sem ninguém dar por isso, sem que eu tenha dado por isso, transformou-se numa das minhas peças de vestuário favoritas. São as minhas duas meninas. As minhas tardes de Inverno, as conversas de explanada, as semanas de silencio, as mensagens de preocupação ou de boas notícias. São as minhas meninas e tal como esta cidade, cresceram e ocupam um espaço imenso no meu peito derretendo por vezes esta pedra de gelo. Podes vir tu e mais milhentos como tu, e no final de contas, o amanhã fará de mim o que eu deixar, mas elas serão sempre o meu porto de abrigo.

Os saltos sapateiam debaixo da mesa. O meu café chega, sem açúcar, como sempre. Levanto os olhos da mesa e volto a olhar aquela praça. As estátuas, as lojas de roupa, os garotos a passear, os canteiros de flores e a calçada entrelaçada de pedras brancas e pretas que formam ordenados losangos.

Hoje não me vou preocupar. Hmm… deixa-me bebericar o café e … porra… coff coff… continua a ser uma … 

 Risos. Há coisas que nunca mudam.

Anúncios