É um copo de alarvidades. Cheio Sffv.

Para além dos momentos fantásticos de constrangimento e mau timing já naturais na minha pessoa, acho fantástico alguns acontecimentos que tenho presenciado e vivido.

Ora bem, a conduzir, vou a fazer um triangulo ( contornar, dar a esquerda…nada de contacto com cimento e tijolo), para virar a esquerda. Naturalmente quem tirou a carta nos últimos tempos, perceberá e saberá que seja em que situação for, os triângulos seguem a mesma lei das rotundas em termos de posicionamento na estrada… É estúpido e eu não escrevo nem quero escrever leis, mas é estúpido. Mas entretanto olho para um “amigo” que vai em sentido contrário. A modos que a fazer espelho da minha manobra. Pára,  ri, aponta e segue.

OK. Já é triste e decadente gozar com um carro de instrução. Agora gozar enquanto se está a fazer me…asneira?! Não consegui rir porque entrei no modo “estúpida de facto” intercalado com um “isto não aconteceu”.

 

 

11072009705 - gata preta - vera inacio

Digam lá se não sou um talento em bruto a fazer reconstituições? Leonardo!! Dali!! Chagall!!! Meninos! Vocês são meninos ao pé desta obra de arte!!!

Mas isto para voltar á história do civismo, qual pescadinha de rabo na boca.

Situação: AE (acho que apesar do pavimento ainda é considerada uma auto estrada), Via do Infante – dia 9 Sentido Faro – Portimão= 7km de fila. As alminhas enfadadas que se encontravam nos kilómetros da frente, resolveram inverter o sentido de marcha e enveredar pela via de urgência a fora, em sentido contrário numa AUTO ESTRADA.

Ponto 1- Estavam nos primeiros Km, já tinha sido garantida a resolução do problema em 15 minutos;

Ponto 2- Conceito de Contra-ordenação/Crime não é valido ?

Ponto 3 – E se agora alguma alminha se tivesse sentido mal enquanto esta dúzia de cromos se lembrava de inverter o sentido? O que é que era suposto fazer? A ambulância tem macas, e não asas! Voar 7 km em caso de urgência ainda era alguma coisa.

Ponto 4 – resultado da situação: resolveu-se nos tais 15 minutos e os que inverteram o sentido, chegaram ao fim da fila e como era de esperar, tiveram de voltar para lá.

Já dizia alguém do alto da sua sapiência : INCHA!

 

Já me esquecia. O que é que se faz quando pedimos um livro numa livraria de renome e para além de corrigirem o nome do autor para um nome errado, quando pronunciamos o título do livro, riem-se na nossa cara? Eis a questão… Na altura tinha sido bem metido um “Are you ladrating to me“? Mas pronto, tava na hora do cinema… não tenho vida para discussões e até sou um bocado cobardolas e paro muitas vezes na loja em questão. Pá! Rir é o melhor remédio! Servi-me, paguei e saí a rir sozinha…

Bem já volto (ando numa de escrever a metro).

 

Hoje: Tou assim. Nhim… Mas já encontrei o “the One”! E é lindo! Pena não ser a Diesel. 😦

Anúncios